Matérias » Arqueologia

A saga de um crânio numa caverna: a mais curiosa revelação da última semana

O mistério de uma cabeça decapitada de 5.600 anos ficou desde 2015 sem solução, até que uma nova pesquisa trouxe reviravoltas para o caso

Alana Sousa Publicado em 14/03/2021, às 07h30

Imagem do crânio encontrado na caverna Marcel Loubens
Imagem do crânio encontrado na caverna Marcel Loubens - Divulgação/PLOS ONE

Vestígios do passado, fósseis, múmias, tesouros, assentamentos e, até mesmo, esqueletos são encontrados nos mais inóspitos lugares. Desde o fundo do mar até as cavernas isoladas do mundo, tais artefatos estão por toda parte; de vez em quando nos surpreendemos com descobertas valiosas — e, no mínimo, surpreendentes.

Assim foi o caso de um crânio encontrado há 6 anos, em 2015. Sem o resto do esqueleto, o fóssil estava decapitado e depositado ao norte da Itália, na caverna Marcel Loubens. Diferente de outros acontecimentos, em que é comum identificar evidências de rituais funerários, sacrifícios ou enterros culturalmente únicos, esta cabeça não oferecia nada além da cena vista pelos arqueólogos.

Por anos, os especialistas tentaram de tudo para desvendar o mistério do crânio na caverna, equipes de diferentes partes do mundo se revezaram para visitar o local e tirar suas próprias conclusões. Ainda assim, nenhuma teoria parecia conseguir explicar a descoberta.

Como o crânio fora parar lá? E o resto do esqueleto? A que povo pertencia? As perguntas eram muitas, as respostas, entretanto, escassas. Por quase seis anos o enigma se perpetuou, até que, no início de março de 2021, um estudo tentou selar a incógnita de uma vez por todas.

O crânio encontrado na caverna Marcel Loubens / Crédito: Divulgação/PLOS ONE

 

O fim do mistério?

A nova pesquisa foi divulgada pela revista científica PLOS ONE e repercutida pelo portal Live Science. A equipe, liderada pela arqueóloga Maria Giovanna Belcastro, da Universidade de Bolonha, realizou uma tomografia computadorizada para definir características básicas do crânio.

O artigo revelou que a cabeça do esqueleto pertenceu a uma mulher que morreu entre 24 e 35 anos, há cerca de 5.600 anos. Conforme explicaram os estudiosos, o exame foi crucial para distinguir quais feridas humanas estavam presente no fóssil e quais foram obras da natureza e do tempo.

De acordo com o estudo, “o cadáver — ou cabeça — de uma jovem do início do Eneolítico foi provavelmente manipulado e desmembrado em um contexto funerário ou ritual”. A teoria de um ritual pode ser sustentada por marcas no crânio.

As lesões sugerem que depois de morta, a cabeça da falecida passou por um corte e raspagem dos tecidos moles. Embora a tese tenha provado as contusões, o ambiente que a descoberta foi feita e a decapitação foram temas abordados de maneira distinta pelos arqueólogos.

A equipe de especialistas então indagou: “Um caso frio arqueológico intrigante: um crânio humano isolado foi encontrado na caverna de gesso natural Marcel Loubens no topo de um poço vertical, alcançado por uma escalada técnica artificial de 12 metros. Como e quando ele chegou lá? De quem era?”.

Local onde crânio foi encontrado / Crédito: Divulgação/PLOS ONE

 

Para tentar explicar essa parte, não é possível passar de meras suposições. A falta de provas contundentes dificultam o processo investigativo e anulam uma conclusão decisiva. Os estudiosos sugerem que a mulher foi enterrada normalmente, mas anos depois, a natureza mudou seu paradeiro final.

Levando em consideração os fenômenos naturais, o estudo aponta que a água e a lama se encarregaram de levar o corpo da morta para a caverna da Itália em uma "viagem longa e acidentada”.

Um indício dessa hipótese seria a posição do crânio na gruta, que aparenta ter sido colocado acidentalmente lá; um ambiente hostil e de difícil acesso. Ainda que não possa afirmar com certeza, a pesquisa mudou a concepção do caso e foi a mais impactante desde o ano da descoberta.


+Saiba mais sobre o tema através das obras disponíveis na Amazon

Arqueologia, Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/2t9EZeX

Mistérios da arqueologia e da história: Um guia para o lado oculto da ciência, Preston Peet (2015) - https://amzn.to/2QKRqX 

Uma breve história da arqueologia, Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2tLZFcY

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/3b378FC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W