Matérias » Europa

Sarah Ann Henley, a garçonete que sobreviveu ao suicídio graças à sua saia gigante

Sofrendo uma desilusão amorosa na época vitoriana, Henley acabou saindo viva ao pular de uma ponte de 75 metros

Joseane Pereira Publicado em 11/12/2019, às 08h00

Uma jovem da Era Vitoriana espera pacientemente enquanto sua saia de crinolina é preparada
Uma jovem da Era Vitoriana espera pacientemente enquanto sua saia de crinolina é preparada - Getty Images

Saias com armação de crinolina eram itens essenciais na época Vitoriana. Apesar de terem causado acidentes fatais, se incendiando ao encostar em velas e lampiões acesos, em algumas ocasiões esses itens exerceram o papel de heróis. É o caso da história de Sarah Ann Henley, uma garçonete de Bristol, Inglaterra, que sobreviveu graças à sua grande saia.

SUICÍDIO FRUSTRADO

No ano de 1885, Sarah vivia uma terrível desilusão amorosa. O relacionamento dela com seu noivo, um porteiro da Great Western Railway, estava indo de mal a pior. Até que, após brigas e ofensas recíprocas, a jovem recebe uma carta dele informando que o noivado havia terminado. Chocada, no dia 8 de maio, ao meio dia, ela resolve realizar o que 17 pessoas já haviam feito antes: se atirar da Ponte Suspensa de Clifton, em uma queda de 75 metros.

Pessoas que viram o ocorrido, como o controlador da ponte Thomas Stevens e o detetive Robertson, afirmaram ter testemunhado um milagre. Após o terrível salto, sua saia de crinolina se inflou, criando um pára-quedas que a fez flutuar como uma folha. E, devido à ventania, correntes de ar a afastaram do leito do rio, fazendo-a aterrissar no lamaçal em suas margens.

Saias de crinolina eram moda na Inglaterra Vitoriana / Crédito: Getty Images

 

O TAXISTA INABALÁVEL

Confusa e em choque, ela foi resgatada pelos transeuntes John Williams e George Drew e levada para a estação ferroviária mais próxima. Correndo em busca de ajuda para levá-la à enfermaria de Bristol, o detetive Robertson abordou um taxista que passava. Entretanto, o homem se recusou em levá-la em seu carro, alegando que as roupas enlameadas de Sarah deixaria o táxi sujo.

Mesmo com ofertas em dinheiro e alegações de que ela morreria caso não fosse para um hospital, o taxista foi inabalável: "Eu não me importo, deixe-a morrer", respondeu. E foi embora com seu carro.

Entretanto, Sarah não morreu. Levada para a enfermaria uma hora depois, ela se recuperou aos poucos, enquanto sua história se espalhava pela cidade. Dias depois, o taxista escreveu uma carta pública onde explicava que os motoristas de táxi eram proibidos de levar transeuntes sujos ou embriagados, sob risco de perderem o emprego. E que sua família passaria fome caso isso acontecesse.

Sarah Henley se casou com o trabalhador ferroviário Edward Lane, com quem teve os filhos Ruby e Elsie Brown. Faleceu em 31 de março de 1948, aos 85 anos de idade.


+Saiba mais sobre a época Vitoriana através das obras abaixo:

Literatura Vitoriana e Educação Moralizante, Flávia Costa Morais - https://amzn.to/2scoBtf
 
Dom Pedro II e a Moda Masculina na Época Vitoriana, Mário de Araújo - https://amzn.to/38lOFme
 
A Era Vitoriana, Élio Chaves Flores - https://amzn.to/2PypPXH
 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.