Matérias » Primeira Guerra

Se estivesse vivo em 1914, Rodolfo da Áustria teria morrido no lugar de Francisco Ferdinando

O filho de Isabel da Baviera, se tivesse assumido o trono, teria um governo que levaria a Europa a um caminho diferente ao que levou à Primeira Guerra Mundial

André Nogueira Publicado em 30/01/2020, às 13h56 - Atualizado às 13h57

Rodolfo, Príncipe da Áustria e Francisco Ferdinando
Rodolfo, Príncipe da Áustria e Francisco Ferdinando - Wikimedia Commons

Isabel da Bavária, que foi rainha da Áustria, teve apenas um filho: Rodolfo, um rapaz progressista igual à mãe, porém sem jeito algum para a vida política. O herdeiro detestava a vida na corte e casou-se contra a vontade para que tivesse uma consorte e se tornasse rei. O matrimônio por obrigação levou Rodolfo à depressão e ao alcoolismo. Uma vida trágica.

Então, já com a vida destruída pelo vício, Rodolfo adotou uma filha, mas também a colocou numa situação trágica: em 1889, ele tirou a própria vida e a da criança num estande de caça, para fugir da realidade onde era frustrado pelas obrigações palacianas. Assim morreu o único filho homem de Isabel.

Com uma ideologia diferente do que se espalhava na corte de Viena, Rodolfo teria um mandato oposto do que se seguiu na Áustria-Hungria. Suas relações de isolamento com a Prússia de Wilhelm II, essencialmente conservadora, afastaria a Alemanha durante a Primeira Guerra.

Francisco Ferdinando, herdeiro da Áustria / Crédito: Wikimedia Commons

 

Além disso, Rodolfo seria herdeiro do trono austro-húngaro em 1914, o que poderia ter mudado os rumos da história: se o arquiduque Francisco Ferdinando não fosse o próximo a assumir o trono, existia a possibilidade do Atentado de Sarajevo não ter acontecido, ou atingiria outro aristocrata. Seria exagerado afirmar que a Primeira Guerra nunca teria acontecido, todavia, ela teria ocorrido de maneira completamente diferente.

Além do mais, com a presença de Rodolfo no trono austríaco, seria possível que negociações com a sérvia tivessem ocorrido, o que diminuiria a possibilidade de um atentado como o ocorrido em 1914, que tragicamente desencadeou a declaração de guerra de Inglaterra, França e Rússia à Alemanha e Áustria-Hungria. A Mão Negra de Gravilo Princip teria sido irrelevante.

Francisco Ferdinando foi morto por essa organização nacionalista, que tinha como objetivo a independência da Sérvia da tirania de Viena. Todavia, seu assassinato desencadeou o nó diplomático que levou à declaração de guerra da Áustria a Servia. Em seguida, a Rússia declarou guerra à Áustria e, como consequência, à Alemanha. E com isso, entram Inglaterra, França, Itália e Império Otomano, e o resto todos conhecemos.


+ Saiba mais sobre a Primeira Guerra Mundial por meio das obras a seguir:

A Primeira Guerra Mundial: Os 1.590 dias que transformaram o mundo (2017) - https://amzn.to/2Bqc078

Box 1914-1918: a História da Primeira Guerra Mundial  (2016) - https://amzn.to/33JxoQM

A Primeira Guerra Mundial - https://amzn.to/2MS57Rf

O horror da guerra: Uma provocativa análise da primeira guerra mundial - https://amzn.to/2MOJMIw

A primeira guerra mundial: História Completa (2013) - https://amzn.to/2P0HKrC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.