Matérias Música

Sgt. Pepper's: O disco dos Beatles que abalou o mundo

Neste dia, em 1967, os Beatles lançavam o álbum que refletiu a revolução cultural da época

quarta 30 maio, 2018
Coloridos e cheios de enigmas
Coloridos e cheios de enigmas Foto:Wikimedia Commons

Em 1967, uma verdadeira revolução cultural começou a partir de mãos jovens. A juventude rejeitava a guerra e propôs paz e amor, especialmente para dar um basta ao conflito no Vietnã. A psicodelia invadiu as revistas, a televisão e as ruas. As cores deram vida à moda, que floresceu como nunca nas grandes capitais. No meio de tanta mudança, uma banda de rock captou o espírito. E lançou o disco considerado um dos melhores já feitos até hoje, o Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band.

A capa do álbum Reprodução

Naquele ano, a carreira dos Beatles estava mudada. O quarteto britânico não fazia mais turnês e dedicava mais tempo às gravações em estúdio. Após cinco meses dentro de um deles, o Abbey Road, e 700 horas de gravação sob a batuta do produtor George Martin, o auge da criatividade dos meninos de Liverpool estava atingido.

Veja mais

Obra de arte 

Mas por que Sgt. Pepper's é considerado um marco? Resumidamente (sim, porque as inovações do disco renderiam - e já renderam - alguns livros), porque provou que o rock não precisava se limitar a acordes simples e instrumentos básicos.

O trabalho foi muito além do esquema padrão "guitarra-baixo-bateria", adicionando clarinetas, harpas, instrumentos indianos e até flertando com uma música eletrônica primitiva. Paul McCartney resumiu assim a experiência: "Antes tentávamos compor canções pegajosas. O Pepper's foi mais como escrever um romance".

A banda em photoshoot do álbum Reprodução

O álbum foi umas das poucas obras de arte a serem reconhecidas imediatamente pelo público e pela crítica. Quer uma prova? Jimi Hendrix tocou a música Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band em um show apenas três dias após seu lançamento. "Sgt. Pepper's é o disco de rock mais importante já gravado, uma aventura insuperável em conceito, som, composição, capa e tecnologia de estúdio, feito pelo maior grupo de rock de todos os tempos", descreveu a revista americana Rolling Stone, ao selecionar o trabalho como o número 1 numa lista dos 500 melhores álbuns.

Mesmo numa era onde os streams dominam o mercado fonográfico, a música deve algumas coisas ao Sgt. Pepper's. Discos com letras no encarte, por exemplo. A capa dupla do álbum também foi uma inovação. 


Arte e mistério

Os Beatles colocaram na capa do disco a imagem de todos aqueles que admiravam 

1. Amigo morto

Stuart Sutcliffe, baixista original dos Beatles, havia saído do grupo para morar na Alemanha e se dedicar às artes plásticas e morrera em 1962. Seu rosto foi pintado num painel que serviu de cenário para a foto da capa.


2. O selvagem

Não por coincidência, a gangue do personagem Johnny Stabler no filme O Selvagem (1953) se chamava Beetles. As jaquetas de couro usadas pelo ator Marlon Brando no longa também foram copiadas pelo quarteto no início da carreira, antes dos terninhos.


3. Ídolo psicodélico

O autor de Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll, é uma grande influência no disco. Criou imagens psicodélicas para sua personagem - aquele mundo estranho em que ela vivia, tudo muito colorido - antes mesmo de a psicodelia existir.


4. Bumbo de bateria

Segundo a teoria que corria sobre a morte de McCartney, a imagem invertida mostraria um texto que sugeriria a data (11-9, ou 11 de setembro) da suposta morte e um símbolo que apontaria para Paul.


5. Baixo de flores

Os boatos sobre a possível morte do baixista em um acidente de motocicleta em 1966 foram criados por um jornalista americano por brincadeira e apontam esse instrumento como uma pista para o óbito: ele lembra uma coroa de flores.

Paulo Terron


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais