Matérias » Japão

Sexo na tela: Shunga, a arte erótica japonesa comum no período Edo

Os traços fortes, as cores vivas e o realismo do gênero permitiram que a sexualidade fosse menos velada

Pamela Malva Publicado em 17/12/2019, às 15h34

Um homem e uma geisha, 1714
Um homem e uma geisha, 1714 - Getty Images

Três anos depois da batalha de Sekigahara, conhecida como Divisão do Reino, teve início o período Edo no Japão. Governado pelos xoguns da família Tokugawa, o Edo Bakufu — outro nome para o momento histórico — começou na cidade de Edo, atual Tóquio.

Durante os 268 anos de relativa paz, o país vivia um momento de isolamento político-econômico, em um sistema de feudos, e de valorização das artes. Foi nessa época que o teatro kabuki, a pintura em madeira e a arte do chá ganharam maior expressividade. Junto delas, a Shunga surgiu para se tornar a arte erótica japonesa.

Com traços fortes e cores vivas, a shunga nasceu da ukiyo-e, um gênero de xilogravura comum no Japão entre os séculos 17 e 19. Seu nome significa imagem da primavera, uma estação comumente ligada à sexualidade — sendo assim, o nome é um tipo de eufemismo.

Os artistas shunga representam cenas de sexo explícitas, procurando capturar as expressões de êxtase e prazer. A grande maioria das obras retratam o sexo entre homens e mulheres, mas também existem aquelas com um homem e várias mulheres, ou de homens com homens e até de humanos com animais e espíritos. 

O sonho da esposa de um pescador, de Katsushika Hokusai (1760-1849) / Crédito: Getty Images

 

Nelas, o sexo homoafetivo é comum e muito aceito, ainda que o padrão fosse o sexo hétero. Independentemente dos protagonistas, uma característica das obras shunga era a forma como os órgãos genitais eram representados. Pênis aumentados e vaginas realistas eram detalhados em uma construção meticulosa.

A representação meticulosa das genitálias / Crédito: Getty Images

 

Junto das cenas — que transbordam luxúria —, elementos textuais poderiam compor o sentimento de prazer. Era comum encontrar legendas representando o diálogo entre os amantes e até onomatopeias para expressões de prazer.

No entanto, por mais que as cenas fossem muito realistas, elas não necessariamente representavam a realidade dos hábitos sexuais no Japão do período Edo. A grande maioria das obras espelhava as fantasias das pessoas e, por esse motivo, é comum identificar outras pessoas nas cenas, observando o ato, ou mais participantes, conferindo orgias.

Uma das cenas representando outra pessoa assistindo o ato / Crédito: Getty Images

 

Além do objetivo de traduzir a sexualidade em imagens, a shunga também trazia aspectos humorísticos em suas construções. Era através desse gênero que os artistas interpretavam obras literárias e peças de teatro com um olhar erótico-satírico.

As pinturas shunga eram frequentemente encontradas em paródias de livros educativos femininos, por exemplo, exatamente por contarem com essa faceta irônica. Mesmo assim, também representavam um empoderamento feminino desconhecido na época.

um homem tentando satisfazer sete mulheres ao mesmo tempo em um bordel / Crédito: Getty Images

 

Por mais que muitas mulheres fossem representadas em bordéis e casas de prostituição, a shunga posicionava imagens femininas no mundo dos homens. Em diversos momentos, as protagonistas das pinturas davam às mulheres o direito de serem sexualmente ativas, procurando pelo prazer sexual — algo comumente experienciado apenas por homens.


+Saiba mais sobre a sexualidade através dos anos com os livros abaixo

Prazeres e pecados do sexo na história do Brasil, Paulo Sérgio do Carmo (2019) (eBook)

link - https://amzn.to/2Z3s0qD

O Livro do Amor, Regina Navarro Lins (2012)

link - https://amzn.to/38QZj4D

Momentos Na História Da Sexualidade, Jan Bremmer (2009)

link - https://amzn.to/2rKlEjT

História da sexualidade, Michel Foucault (2014)

link - https://amzn.to/34Bkbd6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.