Matérias » Sudão

Sítio arqueológico de 2 mil anos é destruído por saqueadores em busca de ouro no Sudão

O local histórico de Jabal Maragha sofreu com escavadeiras após um dos clandestinos confundir uma rocha metálica com o metal precioso

Wallacy Ferrari Publicado em 25/08/2020, às 13h46

Trecho de vídeo do sítio arqueológico Jabal Maragha
Trecho de vídeo do sítio arqueológico Jabal Maragha - Divulgação/BBC

Uma equipe de pesquisadores se surpreendeu com um local histórico destruído após o retorno da quarentena em decorrência da covid-19. O sítio arqueológico de Jabal Maragha, localizado no deserto do Sudão, foi alvo de saqueadores que devastaram o local em busca de ouro e tesouros raros.

O local de 2 mil anos sofreu com os ataques de máquinas pesadas, que destruíram o trabalho de acompanhamento feito há três décadas por pesquisadores turcos. O arqueólogo Habab Idriss Ahmed, que escavou meticulosamente o local histórico desde 1999, manifestou tristeza pela intervenção: "Eles fizeram uma loucura; para economizar tempo, usaram máquinas pesadas", disse em entrevista à BBC.

Na retomada do local, a equipe arqueológica se deparou com duas escavadeiras mecânicas, manipuladas por cinco homens, no meio do deserto escaldante de Bayouda, a cerca de 270 quilômetros da capital Cartum. O espaço explorado pela equipe clandestina abriu uma vala com 17 metros de profundidade e 20 metros de comprimento.

Os arqueólogos solicitaram a presença da polícia, que levou os caçadores para a delegacia, porém foram libertados horas depois. De acordo com um deles, a escavação foi motivada pois o detector tocou com a rocha metálica de arenito e pirita, o que os levou a buscar ouro, sem sucesso.

Mahmoud Al-Tayeb, um ex-especialista do departamento de antiguidades do Sudão, externou indignação: "Eles deveriam ter sido presos e suas máquinas confiscadas. Existem leis".