Matérias » Mundo

Sufrágio Universal: A conquista do voto através dos séculos

Dos druidas ao Sacro Império Romano, o conceito de democracia que conhecemos hoje era um privilégio para poucos no passado

Álvaro Oppermann Publicado em 01/09/2008, às 00h00 - Atualizado em 13/06/2021, às 08h00

Imagem meramente ilustrativa de votação na Alemanha em 2002
Imagem meramente ilustrativa de votação na Alemanha em 2002 - Getty Images

Considerado essencial para uma democracia, o direito de escolher de forma livre seus representantes mediante o voto é bastante recente. Ainda mais, a história do sufrágio universal ainda é incompleta. Isso porque, em 2019, segundo a revista The Economist, apenas 76 países viviam em uma democracia plena ou imperfeita.

Analisando o formato do governo de 167 países, a publicação internacional identificou que 37 paíeses viviam em regimes híbridos, enquanto as outras 54 nações eram comandadas por governos autoritários. Mas essa situação já é um avanço considerável.

Rezam as lendas celtas e hindus que os primeiros eleitores da humanidade foram os druidas e sacerdotes, que escolhiam seus chefes políticos. Em Atenas, por volta do século 5 a.C., participavam 20% dos cidadãos, todos homens. Os romanos inventaram a urna eleitoral em 139 a.C. Até então, as escolhas eram feitas no gogó.

Durante a Idade Média e a Renascença, as votações se tornaram sinônimo de conchavo. No Sacro Império Romano (962-1806), quem elegia o rei era um pequeno grupo de nobres e religiosos. “A idéia de democracia permaneceu adormecida na Europa até o fim do século 19”, afirma o historiador inglês Malcolm Crook, autor de 'Elections in the French Revolution' ('Eleições na Revolução Francesa', sem tradução no Brasil).

Imagem meramente ilustrativa de caixa de votação / Crédito: Getty Images

 

Até nos Estados Unidos, o sufrágio universal tardou para ser aceito. Entre os delegados da convenção que elaborou a Constituição do país, promulgada em 1787, imperava a opinião do parlamentar George Mason (1725-1792): “Deixar o povo escolher o presidente é como deixar um cego escolher uma cor”.

O voto feminino também foi uma conquista árdua. No Brasil, no início do século 20, a advogada carioca Myrthes de Campos (a primeira mulher a ingressar na Ordem dos Advogados do Brasil, em 1906) teve negado o pedido de participar das eleições.

Esse direito só foi reconhecido às mulheres décadas mais tarde, com a chegada do Código Eleitoral de 1932. E olha que o Brasil estava na vanguarda. Na Suíça e em Portugal, o “voto de saias” só virou lei, respectivamente, em 1971 e 1974.

Em compensação, no Brasil, o direito de voto aos analfabetos, que era previsto até 1889 e acabaou sendo negado um pouco depois, só foi restabelecido a partir de meados de 1985. Com isso, nós fomos o último país da América do Sul a fazê-lo.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

O sufrágio universal: e a invenção democrática, de Vários autores (2005) - https://amzn.to/2w00gZH

O voto feminino no Brasil, de Teresa Cristina de Novaes Marques (2018) - https://amzn.to/2Pu37B5

O Segundo Eleitorado: Tendências do Voto Feminino no Brasil, de Lucia Avelar (1989) - https://amzn.to/2T7sclY

Os direitos das mulheres: feminismo e trabalho no Brasil (1917-1937), de Glaucia Fraccaro (2019) - https://amzn.to/2SXqx3X

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W