Matérias » Personagem

A suposta tentativa de suicídio da princesa Margaret, irmã de Elizabeth II

Depois de ter seu relacionamento extraconjugal exposto e seu divórcio anunciado, a princesa não teria aguentado a pressão da mídia

Daniela Bazi Publicado em 16/02/2020, às 08h00

Princesa Margaret
Princesa Margaret - Wikimedia Commons

A princesa Margaret, irmã da rainha Elizabeth II, sempre foi uma das figuras mais polêmicas da família real britânica. Suas controvérsias vão desde nudes vazados, até inúmeros boatos de relacionamentos, incluindo traições, divórcio e um namoro com um homem 17 anos mais novo que ela.

Antes de se casar com Anthony Armstrong-Jones, o primeiro Conde de Snowdon, em 1960, Margaret se envolveu com o piloto da Força Aérea Real Peter Townsend, que era um homem recém-divorciado. Entretanto, ambos os relacionamentos não deram certo.

Enquanto ela e Peter foram obrigados a se separar, seu casamento com Anthony era cheio de altos e baixos e regado de traições. Armstrong-Jones chegou a se envolver com inúmeras mulheres, sendo a principal Lucy Lindsay-Hogg, com quem esteve junto por vários anos.

Princesa Margaret e Anthony Armstrong Jones / Créditos: Getty Images

 

Os casos extraconjugais eram do conhecimento da princesa, que vivia numa profunda tristeza pelo comportamento do marido, e não cogitava em pedir divórcio pelas regras de sua família.

Tentando esquecer seu trágico casamento que estava cada vez pior, Margaret viajou para a ilha particular de Mustique, quando conheceu e se apaixonou pelo jovem Roddy Llewellyn. No ano de 1976, o caso acabou se tornando público, e gerando problemas para a herdeira do trono.

Roddy Llewellyn / Crédito: Getty Images

 

Anthony estava diante do motivo que faltava para pedir o divórcio. Como consequência, eles se tornaram o primeiro casal da família real a se separar em 77 anos. Com seu rosto estampado em todos os veículos de comunicação da época, a princesa se encontrava com seu estado psicológico completamente abalado.

De acordo com o jornal The Guardian, uma biografia sobre Elizabeth publicada em 1996 diz que Margaret teria tomado uma grande quantidade de calmantes e permanecido desacordada durante alguns momentos em seu quarto até alguns funcionários encontrá-la e chamarem imediatamente por um médico.

Porém, segundo o jornal The Telegraph, tais rumores teriam sido negados pela família real. Em entrevista, pouco tempo depois do acontecimento, a Margaret teria comentado ao mesmo meio sobre o assunto. Na ocasião, ela disse "Eu estava tão exausta por causa de tudo que tudo que eu queria fazer era dormir... e eu fiz, até a tarde seguinte".

A triste cena foi reproduzida no último episódio da terceira temporada da série The Crown, da plataforma de streaming Netflix, onde mostra que a princesa teria supostamente cometido a tentativa de suicídio por não aguentar a pressão do grande ataque midiático que vinha sofrendo.

Entretanto, não se pode comprovar de que essa realmente foi a motivação para o trágico ato. Algumas especulações dizem que o verdadeiro motivo seria ciúmes de Roddy, porém nunca foi comprovado. Margaret faleceu em 2002 devido a graves problemas causados por seu hábito de fumar.


+Saiba mais sobre a monarquia britânica com as obras abaixo:

Vitória, a rainha: Biografia íntima da mulher que comandou um Império, Julia Baird (2018) - https://amzn.to/2Y80QOZ

Elizabeth I - O Anoitecer de um Reinado, Margaret George (2012) - https://amzn.to/37YWSg4

História concisa da Grã-Bretanha, W. A. Speck (2013) - https://amzn.to/2qcqSnA

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.