Matérias » Brasil

Teria sido o ex-presidente Juscelino Kubitschek assassinado pelo Regime Militar?

O caso não foi resolvido até hoje, mas assim como Jango, JK pode ter sido morto por não colaborar com a imagem do regime. Conheça o caso!

Redação Publicado em 22/08/2019, às 12h00

None
Reprodução

Muitas figuras públicas relevantes têm suas mortes mal explicadas, principalmente por terem morrido durante a Ditadura Militar. É o caso de Jango, de Lacerda, de Herzog, entre outros. Mas um dos casos que mais chocou o Brasil foi a morte do ex-presidente JK que, após anos de ostracismo político, foi levado por um acidente de carro na estrada.

Esse é um assunto que está em aberto e nunca foi realmente confirmado. Será mesmo que JK morreu num acidente de carro, como a versão da ditadura contou? Segundo testemunhas, existiram indícios de assassinato. Segredos como esse estão nos fundos do baú da ditadura militar.

Essa manchete gerou um desamparo nacional / Crédito: Domínio Público

 

Em dezembro de 2013, a Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo publicou um relatório que afirma com todas as letras: o ex-presidente Juscelino Kubitschek foi assassinado pela ditadura. Até então, a versão oficial era de que ele teria morrido em um acidente de carro na Via Dutra, aos 73 anos, em 22 de agosto de 1976. 

Entre os 90 indícios levantados pela comissão está o depoimento do perito Antônio Carlos de Minas, que garante ter visto um buraco de bala no crânio exumado do motorista do ex-presidente. Josias Nunes Oliveira, condutor do ônibus que teria fechado o automóvel, diz ter recusado a oferta de uma mala de dinheiro para assumir a culpa no desastre.

O funeral de JK lotou Brasília e sua Catedral / Crédito: Reprodução

 

Em 1996, com o país livre do regime militar havia anos, uma investigação tentou esclarecer as circunstâncias da morte de JK e, na ocasião, o mesmo perito teria tido acesso ao crânio do motorista e concordado com a versão da ditadura.

Em 2014, a própria Comissão Nacional da Verdade rejeitou a versão da CV de São Paulo e disse que a versão oficial da época da ditadura está correta e JK não foi assassinado.