Matérias » Curiosidades

"Tímido, vivaz e sexy”: Como um coelho se tornou símbolo da Playboy

Antes do símbolo que se tornou icônico, a revista passou por algumas mudanças — inclusive em seu nome

Fabio Previdelli Publicado em 28/05/2021, às 08h00

Hugh Hefner, fundador da Playboy, ao lado de algumas modelos fantasiadas de coelhinhas
Hugh Hefner, fundador da Playboy, ao lado de algumas modelos fantasiadas de coelhinhas - Getty Images

Em 1953, Hugh Herfner e seus associados fundaram a revista Playboy. Conhecida por seu conteúdo direcionado ao público masculino, a magazine se tornou notável por suas páginas principais estamparem fotos de modelos e celebridades em ensaios nus. 

Como classifica matéria da BBC, a Playboy foi responsável por uma verdadeira revolução sexual, sendo uma das marcas mais conhecidas do mundo até hoje, apesar da edição física da revista não mais existir, sendo apenas distribuída online.  

Hugh Herfner, fundador da Playboy/ Crédito: Getty Images

 

Segundo Steven Watts em “Mr. Playboy: Hugh Hefner and the American dream”, a revista não só se consagrou por seus ensaios sensuais, mas também por apresentar um conteúdo lifestyle e também por publicações de contos de grandes nomes da literatura, como Arthur C. Clarke, Ian Fleming, Chuck Palahniuk e Margaret Atwood.  

Porém, nem sempre a Playboy foi do jeito que conhecemos, passando por mudanças não só em seu nome, mas também em outro ponto característico da publicação: seu logo. 

Nome, identidade visual e empréstimo da mãe 

Conforme relata matéria do The Times, de 2010, a revista Playboy só começou graças a um empréstimo dado pela mãe de Hugh Hefner, que disponibilizou cerca de mil dólares para ele e seu associados. 

De início, como relembra matéria da BBC, a publicação chamaria “Stag Party” (ou “Festa do Cervo”, em uma tradução mais literal). O nome remete a como os ingleses chamam as famosas despedidas de solteiro.  

Entretanto, o nome acabou não vingando muito, permanecendo por apenas uma edição, já que havia outra revista com o nome de “Stag”. Assim, Hefner e Eldon Sellers, vice-presidente executivo da revista, acharam que a melhor saída seria encontrar ou nome. Não poderiam estar mais certos.  

O Conselho Editorial da Playboy em 1970/ Crédito: Cmacauley/Wikimedia Commons

 

Como recorda a BBC, o nome surgiu a Sellers por conta de uma lembrança de um momento de sua vida, era o mesmo nome de uma antiga empresa que sua mãe havia trabalhado: a Playboy Automobile Company. 

Depois disso, era hora de Art Paul entrar em ação. Ele ficou encarregado de criar o logo da Playboy. Para isso, escolheu a figura de um coelho que usava uma gravata borboleta — que se tornou um icônico símbolo.  

[Colocar ALT]
Marilyn Monroe como capa da Playboy/ Crédito: Playboy/Wikimedia Commons

Hefner via no animal a mesma essência da revista: ambos tinham um caráter lúdico, encantador e divertido.

Além disso, como o próprio fundador da revista explica em entrevista ao Look Magazine, o bichinho peludinho também tinha uma “conotação humorística e sexual”, afinal, a espécie é conhecida por ter uma vida sexual bastante ativa, o fazendo dele “um animal vigoroso, tímido, vivaz, saltitante e sexy” — nas palavras de Hugh

"Primeiro, ele te cheira; depois, foge; mais tarde volta e desperta a vontade de carícias, de brincadeiras. Uma garota se parece com um coelho. É alegre", completou. Um exemplo disso, segundo aponta, eram as famosas ‘garotas do mês’, as famosas coelhinhas, escolhidas pelo veículo.  

“Não é uma garota sofisticada que você nunca poderia ter. Não nos interessam as mulheres misteriosas, difíceis. Não nos interessa a femme fatal que está triste", explicou, dizendo que “a garota da Playboy não usa renda ou roupas íntimas. Ela está nua, bem banhada com sabão e água, e está feliz". 

Outro ponto que se destaca da identidade visual do logo da Playboy é justamente um dos pontos mais simples dele: a cor. Como explica matéria da BBC, a coloração foi escolhida pois dá um ar luxuoso, um toque de profissionalismo e também de muita classe.  

Não por coincidência, a cor é a mesma de um traje formal, que apesar do ‘pretinho básico’, se destaca não por sua presença, afinal, não precisa de cores para se destacar, sua imagem fala por si só.  

Apesar de icônico, pontua o The Times, o logo seria usada, em um primeiro momento, apenas como um ponto final ao término de cada artigo da revista. Mas logo os editores da Playboy perceberam sua importância e lhe deram um espaço de maior destaque.


++Saiba mais sobre a história da Playboy através de grandes obras disponíveis na Amazon:

Histórias secretas: Os bastidores dos 40 anos de Playboy no Brasil, por Vários autores (2016) - https://amzn.to/2vyHAQR

Dirty! Dirty! Dirty!: Of Playboys, Pigs, and Penthouse Paupers An American Tale of Sex and Wonder, por Mike Edison (2011) - https://amzn.to/2vyzDel

Playboy Laughs: The Comedy, Comedians, and Cartoons of Playboy, por Patty Farmer (2017) - https://amzn.to/2Qt0XBQ

Bunny Tales: Behind Closed Doors at the Playboy Mansion, por Izabella St. James (2009) - https://amzn.to/33wFz4b

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W