Matérias » Personagem

Tortura contra jornalista e rei do tráfico: Quem era Elias Maluco?

Condenado pela morte de Tim Lopes, o traficante morreu nesta terça-feira, 23, deixando para trás uma trágica contribuição para o crime organizado do Rio de Janeiro

Wallacy Ferrari Publicado em 23/09/2020, às 13h45

Elias sendo conduzido para a delegacia após sua captura
Elias sendo conduzido para a delegacia após sua captura - Divulgação

Na noite de 2 de junho de 2002, o então jornalista da TV Globo, Tim Lopes, foi até um baile funk na favela Vila Cruzeiro, no bairro da Penha, Rio de Janeiro, com uma pequena câmera escondida para denunciar o abuso sexual de menores e o tráfico de drogas no lugar. Descoberto pelos traficantes do local, Tim foi sequestrado e levado para a Favela da Grota, localizada no Complexo do Alemão.

No lugar, ele conheceu o líder do grupo, Elias Maluco. O chefe da quadrilha não quis deixar barato o fato do jornalista estar gravando as ações ilícitas que praticavam. O apelido não é a toa: depois de torturar o jornalista queimando seus olhos com cigarros, Elias o assassinou com uma espada samurai, esquartejando-o e queimando seus pedaços dentro de um pneu.

"Levado pelo bando de Elias Maluco a local ermo, ele foi torturado até a morte, teve o corpo esquartejado e encharcado de gasolina antes de ser carbonizado numa fogueira, dentro de pneus de carro, método conhecido como micro-ondas pelos moradores da favela da Grota. Só no dia 5 de julho o exame de DNA confirmou que a ossada encontrada em cemitério clandestino localizado no alto do morro era mesmo do jornalista", afirma a autora Valentina Nunes na obra 365 dias que mudaram o Brasil.

O crime gerou grande repercussão, e Elias Pereira da Silva tornou-se um dos homens mais procurados do país. A polícia iniciou a chamada “Operação Sufoco”, cercando todas as saídas do Complexo do Alemão para tentar captura-lo.

Depois de 50 horas de cerco a comunidade, o traficante, membro da facção Comando Vermelho, foi capturado sem resistir à prisão. Maluco foi condenado a 13 anos de prisão por associação criminosa com o tráfico de drogas.

Polícia apresenta Elias Maluco par a imprensa após captura / Crédito: Wikimedia Commons

 

Líder dentro da prisão

Mesmo após receber a sentença de 18 e 28 anos por outros processos subsequentes somados as penas do caso Tim Lopes, Maluco comandou, de dentro da penitenciária, queimas de ônibus e ataques a delegacias no ano de 2006, resultando na morte de 19 pessoas. Em novembro de 2010, seu convívio com outro líder do crime na prisão, Marcinho VP, motivou Elias a ordenar uma nova onda de violência no Rio de Janeiro.

Mesmo com mais de 60 mortes atribuídas a ele, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, concedeu o habeas corpus para Elias. Porém, ele continuou preso devido as suas duas outras condenações.

Poucos meses depois, a medida foi derrubada pelo mesmo Tribunal. Graças a sua influência no crime organizado, o traficante foi transferido diversas vezes para outros presídios, de maneira que sua comunicação com o mundo exterior fosse bloqueada.

A primeira transição foi em janeiro de 2007, quando Elias foi retirado de Bangu I — penitenciária que o abrigava desde a captura — e foi mandado para o Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná, em decorrência das queimas e ataques no ano anterior. Em 2010, devido aos novos ataques, foi transferido junto a Marcinho VP para a Penitenciária Federal de Porto Velho, e no ano seguinte, para Presídio Federal de Campo Grande, antes de retornar para Catanduvas, onde cumpriria os últimos anos de pena.

Elias Maluco em trecho de vídeo do julgamento / Crédito: Divulgação

 

Últimos anos

A equipe de advogados do criminoso tentou, nos últimos anos, desarquivar o caso do assassinato de Tim Lopes com o intuito de provar a inocência do cliente. Após receber a autorização do Conselho Federal da OAB investigar por conta própria, em 2019, o ponto dos defensores era a ossada do jornalista, que poderia ter sido averiguada de maneira rápida e sem os modernos equipamentos de identificação disponíveis atualmente.

A advogada Alexandra Oliveira Menezes era responsável por defender Elias e acrescentou que havia a possibilidade do morro não ter sinal de telefone na época para Elias ordenar tal crime: "Julgamentos como o que condenou o Elias costumam levar o dobro do tempo. Há detalhes do processo que não foram explorados. Vamos remexer com uma história que já estava enterrada”.

A nova investigação foi paralisada na tarde de 22 de setembro de 2020, quando Elias Maluco foi encontrado morto na Penitenciária Federal de Catanduvas. O corpo possuía sinais de enforcamento, porém, a causa da morte não foi confirmada pela nota oficial do Depen: “O Depen informa, ainda, que preza pelo irrestrito cumprimento da Lei de Execução Penal e que todas as assistências previstas no normativo são garantidas aos privados de liberdade que se encontram custodiados no Sistema Penitenciário Federal”.


+Saiba mais sobre criminosos brasileiros em grandes obras disponíveis na Amazon

Famigerado!: a História de Luz Vermelha, o Bandido que Aterrorizou São Paulo nos Anos de 1960, Gonçalo Junior, 2019 - https://amzn.to/2JLfeGQ

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017) - https://amzn.to/2IUCmST

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni: Abra os arquivos policiais, de Ilana Casoy (2016) - https://amzn.to/2ppHCXA

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (2018) - https://amzn.to/35CT56O

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W