Matérias » Personagem

A trágica história de Lena Baker, condenada a morte por um "acidente"

Depois de ser constantemente abusada sexualmente de seu chefe, a mulher se envolveu em uma confusão que acabou levando a sua morte

Caio Tortamano Publicado em 23/06/2020, às 18h00

Mugshot da empregada doméstica Lena Baker
Mugshot da empregada doméstica Lena Baker - Wikimedia Commons

Em um contexto segregatório, a vida de um negro no estado da Georgia, nos Estados Unidos, não era nada fácil. Por mais que a escravidão já tivesse acabado no início do século 20, a vida era discriminatória, e histórias como a da empregada Lena Baker reverberam até hoje pelo racismo escancarado.

Nascida em 8 de junho de 1900, em uma família de ruralistas, Baker e seus irmão trabalhavam cortando e colhendo algodão em uma fazenda que era propriedade de um homem muito rico.

O estado da Georgia na época promovia uma política de repressão de direitos dos negros, especialmente ao voto em um período pós Guerra Civil Americana. Lena foi crescendo e a situação em sua volta somente piorava.

Assassinato

Por volta de seus 40 anos, Baker já era mãe de três crianças, e o trabalho no campo já não era suficiente para o sustento de todos. Por isso, passou a trabalhar como empregada doméstica para ricos patrões da área.

Em 1944, a mulher começou um novo serviço para Ernest Knight, um homem branco que precisava de alguém cuidando de sua casa depois que quebrou a perna. Dono de um moinho, Knight teria assediado sua empregada diversas vezes enquanto ela esteve lá.

Além desse tipo de abuso, o homem obrigava ela a permanecer diversos dias direto na casa, em um modelo análogo à escravidão

Como se não bastasse, os filhos do abusador (tendo um deles agredido fisicamente a mulher) e vizinhos que conheciam Knight desaprovavam o fato deles passarem tanto tempo juntos — e de suas relações sexuais não consentidas —, achando que era Lena quem estava se aproveitando.

Com isso, Baker foi diversas vezes ameaçadas por essa população branca, exigindo que ela abrisse mão do trabalho — sem saber que isso não era permitido por seu patrão.  Certa noite, uma discussão acalorada entre os dois se iniciou, e Knight ameaçou a mulher com uma barra de ferro.

Nesse momento, Lena saiu decidida a nunca mais voltar para a casa de seu patrão, mas ele impediu que ela saísse iniciando um confronto físico. Com uma pistola em mãos, Ernest forçava a mulher a ficar e, durante o esforço de ambos, a arma acabou disparando, atingindo fatalmente o homem.

Agoniada com a situação, Baker foi imediatamente contar às autoridades o que tinha acontecido, afirmando que havia agido em legítima defesa. Como é de se imaginar, o desenrolar da história não foi nada favorável à mulher.

Julgamento

Duas armas sob o púlpito onde fica o juiz, era assim que  William Worril, conhecido como Two Gun, se apresentava em todas as sessões que presidia. Ele foi o juiz no caso de Baker, que teve início em 14 de agosto de 1944. Lena afirmava que as relações que tinham eram completamente abusivas, e que Knight sempre forçava o sexo.

 Além disso, a história da fatídica noite do assassinato tinha sido aparentemente esclarecida pela mulher: depois de fugir da casa e passar uma noite dormindo na floresta, ao voltar seu patrão a trancou no moinho. Quando ele finalmente a libertou, Baker avisou que estava indo embora da casa, daí veio a discussão com a pistola no meio.

O júri — composto única e exclusivamente de homens brancos — rejeitou a defesa da mulher, e condenou a empregada doméstica por homicídio capital em apenas um dia de julgamento. Automaticamente, pela sentença apresentada, juntamente vinha uma pena de morte. O governador da Georgia, Ellis Arnall, até permitiu que a mulher tivesse 60 dias para recorrer a condenação, mas não conseguiu mudar a cabeça dos jurados.

Execução e perdão

Transferida para a Prisão Estadual da Georgia, Lena Baker foi eletrocutada em cadeira elétrica em 5 de março de 1945, e enterrada atrás da capela onde cantava em Mount Vermon. Por isso, se tornou a única mulher a ser morta por esse método em todo o estado.

Lápide de Lena Baker erguida anos depois de sua morte / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em 2003, o neto da mulher, Roosevelt Curry, entrou com um pedido de perdão do Estado pela morte de sua avó, que acabou sendo garantido somente em 2005. Foi garantido a Baker um perdão total e incondicional, os analistas sugeriram que a pena poderia ter sido, no mínimo, reduzida para 15 anos por conta de homicídio voluntário, e não pena de morte como aconteceu.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Escravidão, de Laurentino Gomes (2019) - https://amzn.to/37n5OLI

Escravidão e cidadania no Brasil monárquico, de Hebe Maria Mattos (1999) - https://amzn.to/2rcVZPV

Liberdade por um fio, de Vários autores (1996) - https://amzn.to/2O0tmyA

Criminologia do preconceito, de Evandro Piza Duarte e Salo de Carvalho (2017) - https://amzn.to/2A4yTiU

Racismo Estrutural, de Silvio Almeida (2019) - https://amzn.to/2zlTBe8

Racismo Recreativo, de Adilson Moreira (2019) - https://amzn.to/3e72abq

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W