Matérias » Personagem

A saga de Giovanni Sidotti, padre preso no Japão no século 18

Os ossos do religioso foram encontrados no ano de 2014, em Tóquio

Redação Publicado em 11/12/2021, às 09h00

Esqueleto encontrado em 2014
Esqueleto encontrado em 2014 - Divulgação / UCA News

Cientistas encontraram, no ano de 2014, o esqueleto do último sacerdote cristão a entrar no Japão após a proibição religiosa, no século 18: Giovanni Battista Sidotti. A confirmação, porém, veio somente dois anos depois, após inúmeras análises, as quais foram conduzidas pelo Museu Nacional da Natureza e Ciência de Tóquio.

Na época, o prefeito de Bunkyo Ward, Hironobu Narisawa, anunciou a descoberta por meio de entrevista coletiva realizada no dia 4 de abril. "A probabilidade de [os ossos] serem do padre Sidotti é alta", disse Narisawa na ocasião.

A descoberta

Os ossos foram encontrados no mês de julho de 2014, quando três túmulos foram desenterrados em um canteiro de obras.

Museu Nacional da Natureza e Ciência de Tóquio / Crédito: Wikimedia Commons / 663highland

 

De acordo com informações do UCA News, em reportagem de 2016, entre os anos de 1646 e 1792, o local funcionou como uma prisão para aqueles que professavam a fé cristã, fato que chamou a atenção dos pesquisadores.

Preso no Japão

Nascido na Sicília em 1668, Sidotti foi um padre diocesano de Roma que decidiu viajar ao Japão com o objetivo de auxiliar cristãos que estavam sendo perseguidos no território.

Ele chegou no sul do país, em Yakushima, no ano de 1708, após uma breve passagem por Manila. Lá, acabou sendo preso, já que era claro para todos que ele não era japonês.

Arai Hakuseki / Crédito: Wikimedia Commons / Domínio público / Waseda

 

Após certo período em Nagasaki, em 1709, o sacerdote foi enviado para Edo, atual região de Tóquio, onde ficou encarcerado em uma prisão para cristãos.

Durante algum tempo, ele foi o único interno no local. Lá, chegou a ser interrogado quatro vezes pelo famoso político e acadêmico Hakuseki Arai.

Foi com base nessas entrevistas que Arai escreveu uma obra em três volumes chamada Seiyo Kibun (relatórios do Ocidente) que, até meados do século 19, foram a principal fonte de informações sobre o Ocidente, bem como sobre o Cristianismo, entre os japoneses.

Monumento em homenagem a Sidotti em Yakushima / Crédito: Wkimedia Commons / Grosulzer

 

Na prisão

Por mais que Arai desejasse que Giovanni Sidotti fosse exilado, a lei do período não permitia tal ação, de modo que o o religioso teve de ser mantido no local.

Segundo o UCA news, o padre siciliano não foi torturado e chegou a receber uma mesada enquanto foi feito prisioneiro.

No entanto, depois que batizou um casal de cristãos, Sidotti acabou sendo colocado em uma cela subterrânea, onde faleceu aos 46 anos, em 1714.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Cultura japonesa 7: A Era Meiji: os samurais assumiram o papel central na revolução que sacudiu o Japão feudalm, de Masayuki Fukasawa, Masaomi IseYoshiyasu Irimajiri (2018) - https://amzn.to/33ArpOi

Samurai, de Shusako Endo (2017) - https://amzn.to/2BnhJKV

O Guerreiro do Japão: O Treino e os Exercícios do Samurai, de F. J. Norman - https://amzn.to/31x8dQd

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du