Matérias » Personagem

Traição, brigas e morte trágica: a catastrófica intimidade de Ana Bolena

Acusada de traição, a rainha consorte teve um fim controverso e se tornou um marco na história da Inglaterra

Penélope Coelho Publicado em 27/06/2020, às 08h00

Pintura oficial de Ana Bolena
Pintura oficial de Ana Bolena - Wikimedia Commons

Ana Bolena, segunda esposa do rei Henrique VIII, teve uma trajetória polêmica do início ao fim. 484 anos após sua morte, a intimidade da monarca ainda é motivo de curiosidade e alvo de pesquisas até hoje, não somente pela maneira como a mulher foi morta, mas, também por seus atos realizados em vida. 

Anos iniciais

Até hoje não se sabe ao certo seu ano de nascimento, no entanto, segundo historiadores, Ana nasceu entre o ano de 1500 e 1501. Apelidada de Nan, a menina passou sua infância em Norfolk, condado inglês.

Filha do diplomata Tomás Bolena e de Elizabeth Howard, o pai da menina decidiu que a filha deveria ser educada na França. Ana tinha um excelente desempenho com a língua, alguns chegaram a dizer que a garota parecia ser uma verdadeira francesa.

No período de sua adolescência, a futura rainha levava uma vida comum de uma nobre inglesa, por isso, pouco se sabe de sua trajetória antes de seu caminho se cruzar com o do rei — algo que mudou a história da mulher para sempre.

Fato é que ao retornar para a Inglaterra, já um pouco mais velha, a beleza estonteante da jovem chamava a atenção dos homens e isso não passou despercebido por Henrique VIII. Porém, antes de se casar com o rei, a nobre quase se relacionou com outro homem, chamado James Butler. Curiosamente, na mesma época, Henrique VIII mantinha um caso com a irmã de Ana, Mary.

União polêmica

Henrique VIII / Crédito: Wikimedia Commons

 

Confusões familiares sempre estiveram presentes nessa relação, porém, no ano de 1532, o monarca e Ana se tornariam amantes. Na época, o rei estava casado com Catarina de Aragão, contudo, devido à problemas com a sucessão do trono e pelo envolvimento com Ana, Henrique decidiu se separar — decisão que chocou a corte. E a situação ficaria ainda mais conturbada.

A união não seria fácil, o Papa não concordava com a atitude de rei e Ana acabou se tornando o pivô de uma enorme briga entre Roma e Inglaterra, resultando na criação da Igreja Anglicana.

Em 25 de janeiro de 1533, antes que o anúncio oficial da separação com Catarina de Aragão fosse emitido, o rei se casou secretamente com Bolena. Diante da estipulação da nova igreja, o casamento foi oficializado.

Assim, Ana tornava-se a Rainha Consorte do Reino da Inglaterra. Menos de quatro meses depois de sua coroação, sua filha Elizabeth nasceu. Esse fato leva a crer que a mulher já estava esperando a criança, na época em que foi coroada.

Fim trágico

Pintura de Ana Bolena na Torre / Crédito: Wikimedia Commons

 

Desde o início da relação, o objetivo do rei era ter um filho homem para comandar seu reino no futuro, entretanto, algo muito triste abalou Ana — que após descobrir que estava sendo traída pelo marido, sofreu de um aborto espontâneo. 

Nessa triste fase, Bolena estava prestes a enfrentar algo pior: um julgamento. Acusada pelo próprio marido de ter sido infiel por supostamente ter se envolvido com um membro de sua família, a rainha foi presa na Torre de Londres, em 2 de maio de 1536.

Mesmo sem nenhuma prova concreta das acusações, a nobre foi julgada pelo próprio pai e pelo esposo, sendo condenada a um fim trágico: morte por decapitação. Ana Bolena teve sua cabeça ceifada no dia 19 de maio de 1536, na Inglaterra.

Vestindo um saiote vermelho e um vestido, antes de ser morta, a mulher proferiu a seguinte frase: “E assim deixo o mundo e todos vós, e sinceramente desejo que todos rezem por mim. Ó Senhor, tem misericórdia de mim, eu louvo a Deus a minha alma”.

A figura de Ana segue sendo um marco para a história da Inglaterra e influencia até hoje diversas obras cinematográficas e teatrais. Seus possíveis restos mortais foram exumados na época do reinado da Rainha Vitória, assim, Bolena recebeu um enterro apropriado, algo que não aconteceu na época de sua morte.


+Saiba mais sobre a Dinastia Tudor através de importantes obras

Os Ultimos Dias de Henrique VIII Conspirações, traições e heresias na corte do rei tirano, de Robert Hutchinson - https://amzn.to/2S4ZnYD

A herança de Ana Bolena, de Philippa Gregory - https://amzn.to/2Q0V3XY

As seis mulheres de Henrique VIII (edição de bolso), de Antonia Fraser - https://amzn.to/2PVKJjD

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W