Matérias » Brasil Império

Traição e abandono: 5 peculiaridades sobre o relacionamento de Dom Pedro I e Domitila de Castro

O romance proibido entre o imperador e a Marquesa de Santos foi cercado de polêmicas do início ao fim

Penélope Coelho Publicado em 25/07/2020, às 08h00

Domitila de Castro ao lado de Dom Pedro I
Domitila de Castro ao lado de Dom Pedro I - Wikimedia Commons

1. Como se conheceram

Em 1822, quando Domitila de Castro do Canto e Mello ainda era casada com o violento Felício Pinto Coelho de Mendonça, o caminho da mulher se cruzou com o de Dom Pedro I.

Tudo aconteceu quando o homem estava de passagem na cidade de Domitila, São Paulo, alguns dias antes de declarar a independência do Brasil. Mesmo casado com Leopoldina, Pedro I fazia jus ao título de mulherengo e arranjava amantes por onde passava.

Em 1823, Domitila já estava instalada na corte,e desde o começo o relacionamento dos dois foi intenso. A mulher sabia que não era a única amante do imperador, mas, foi a mais famosa e a que por mais tempo ficou ao seu lado, sete anos no total.

Acredita-se que o amor enérgico de Dom Pedro I por Domitila tenha diante da personalidade da amante, que era muito diferente do temperamento de sua esposa Leopoldina. A paulistana possuía um espírito livre, que o encantou prontamente.

Marquesa de Santos no final da década de 1820 / Crédito: Wikimedia Commons

 

2. Regalias e título de marquesa duvidoso

Aos poucos, o imperador foi elevando o padrão social de sua amante. Para que a mulher pudesse estar mais perto, em 1825, Domitila se tornou a dama de companhia de Leopoldina.

Pouco tempo depois, ele a nomeou como viscondessa de Santos, logo, a moça recebeu oficialmente o título nobiliárquico de Marquesa. Porém, o ato chamou atenção da sociedade na época — pelo fato de Domitila nunca ter nem sequer visitado a cidade litorânea. O título foi dado à mulher como uma forma de insultar os irmãos Andradas. Pedro I não tinha uma boa relação com os homens que eram verdadeiramente nascidos em Santos.

Não foi só a marquesa quem recebeu títulos da nobreza, o imperador distribuiu titulações para toda a família da amante, além de presenteá-la com uma mansão no Rio de Janeiro, conhecida como Casa Amarela — onde hoje está instalado o Museu do Primeiro Reinado, na cidade.

3. Confundida com uma prostituta.

No período em que estava cada vez mais próxima da nobreza brasileira, Titília — como era apelidada por Pedro — tinha o desejo de expandir seus horizontes e passou a frequentar alguns lugares luxuosos que já faziam parte da rotina da Corte Imperial. Contudo, a marquesa nunca foi aceita e certa vez, quando tentou entrar no Teatro da Constituição, a mulher foi barrada por ter sido confundida com uma prostituta.

Até hoje o motivo da confusão é incerto, não se sabe se foram pelas roupas que Domitila usava, ou, por seu "jeito de se portar". Mas, o evento deixou o imperador furioso. Após saber do ocorrido, o homem mandou que as portas do estabelecimento fossem fechadas imediatamente.

Pedro I em agosto de 1822 / Crédito: Wikimedia Commons

 

4. Romance com a irmã

Honrando sua fama de mulherengo, o imperador acabou se envolvendo em mais uma relação extraconjugal repleta de polêmicas. Enquanto era casado com Leopoldina e mantinha a Marquesa de Santos como amante, o homem também se relacionou com a baronesa de Sorocaba — irmã de Titília.

Para piorar a situação, Pedro ainda engravidou a baronesa um pouco antes de descobrir que Domitila também carregava em seu ventre um filho do imperador. O triângulo amoroso deixou a marquesa enfurecida. Ela chegou a tentar atacar sua irmã algumas vezes. No mesmo período, a paulistana percebeu que o sonho de se tornar imperatriz estava cada vez mais distante.

5. O fim

Após a morte de Leopoldina em 11 de dezembro de 1826, Pedro I precisava se casar novamente. Seus atos violentos com a falecida imperatriz tinham acabado com sua reputação. Ele pretendia arrumar um casamento com alguém que tivesse o sangue da nobreza para melhorar seu status.

Logo, o homem percebeu que a figura de Domitila estava atrapalhando nesse processo, dessa maneira, a mulher foi levada de volta para São Paulo. Sentindo-se abandonada, o casal rompeu oficialmente em 1829, Titília nunca se tornou imperatriz, já que nunca se casou com seu amor.


++Saiba mais sobre o tema através de obras disponíveis na Amazon Brasil

D. Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do Brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/3hwA2Bb

Titília e o Demonão – A história não contada: A vida amorosa na corte imperial: mensagens de d. Pedro I à marquesa de Santos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2YFRZ7N

D. Pedro - A História não Contada, de Paulo Rezzutti (2015) - https://amzn.to/3hAIsHG

Discurso de Dom Pedro I recitado na abertura da Assembéia Geral Constituinte e Legislativa a 3 de maio de 1823, de Frei Caneca - https://amzn.to/2QackQ0

Pedro I, de Isabel Lustosa - https://amzn.to/2Qbk3NJ

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W