Matérias » Personagem

Tratamentos violentos e angústia: os momentos finais da romancista Virginia Woolf

Tentando curar distúrbios traumáticos, a escritora encontrou a solução em uma morte cinematográfica

Wallacy Ferrari Publicado em 10/05/2020, às 09h00

A jovem escritora (à esq.) em montagem junto a carta deixada em seu suicídio (à dir.)
A jovem escritora (à esq.) em montagem junto a carta deixada em seu suicídio (à dir.) - Wikimedia Commons

Com privilégios ingleses graças a influência dos pais, Virginia Woolf cresceu em Londres com uma família rodeada de artistas. Seus pais, escritores, educaram Virginia e sua irmã Vanessa apenas com a vasta biblioteca em casa antes de frequentarem o instituto feminino do King’s College London.

Quando se formou, foi inserida rapidamente no mundo literário, onde conheceu o marido, Leonard. Após casar, ambos fundaram uma editora responsável por publicar obras de sucesso mundial com autores como TS Eliot e Sigmund Freud.

A partir de 1915, Virginia passou a publicar seus próprios romances, tendo sucesso com To the Lighthouse e Orlando. Publicou também ensaios feministas revolucionários para a época — A Room of One's Own e Three Guineas — e recebia ótimas críticas.

Os trabalhos, no entanto, não foram capazes de motivar a inglesa, que havia tentado suicídio durante o processo de produção de todas as suas obras.

Melancolia 

A motivação para o desconforto com a vida era diretamente ligado aos traumas que nunca tinha manifestado antes de registrar em um ensaio. Além de relevar o diagnóstico que apontava seus problemas psicológicos como doenças mentais, a autora revelou que foi abusada sexualmente por George e Gerald, seus meio-irmãos, entre os seis anos de idade até antes de se casar, aos 23.

Virginia Woolf sentada em uma poltrona na Monk's House / Créditos: Wikimedia Commons

 

O estopim, que parece ter intensificado suas dores, foi uma sequência de falecimentos. Em 1895, sua mãe e, dois anos depois, a irmã Stella, faleceram, antes de a romancista completar 16 anos de idade.

A partir dos ocorridos, Virginia teve seus primeiros episódios de colapso mental, a ponto de ter sido internada e observada para não reagir com agressividade contra si. Além das tentativas, chegou a relatar alucinações e que as mesmas a atormentavam a ponto de querer tirar a vida.

Os angustiantes momentos finais

Os tratamentos psicológicos oferecidos na época ainda trabalhavam com hipóteses duvidosas e técnicas experimentais, porém, não representaram um problema financeiro para Virginia e o companheiro Leonard, visto que possuíam altas quantias pelos lucros obtidos na editora.

Um dos tratamentos chegou a arrancar vários dentes da escritora devido a uma teoria médica que associava doenças mentais a infecções dentárias, durante a década de 1920. Por motivos, atualmente óbvios, não surtiram efeito; do contrário, o resultado foi negativo, somando os distúrbios com a dor física.

Com o estopim da Segunda Guerra Mundial no final da década de 1930, a autora foi impedida de escrever e lançar seus livros, onde a mesma canalizava sua raiva, angústia e pensamentos suicidas, através de um método desenvolvido em parceria com o marido. Sem a possibilidade de externar seus demônios, voltou a ter pensamentos suicidas.

Duas fotografias de Virginia; uma em 1927 (à esq.) e outra em 1939 (à dir.) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Na manhã de 28 de março de 1941, a autora se encontrou com o marido no jardim de casa. Abatida, Leonard a orientou a entrar e descansar. A escritora entrou, mas não decidiu se deitar: vestiu um longo casaco de pele e encheu os bolsos e mangas de pedras pesadas.

Saindo pela porta da frente, foi até o lago Ouse, próximo a residência que moravam. A romancista simplesmente caminhou e ancorou lentamente ao fundo do lago com o auxílio das pedras.

Quando o marido foi checar se a esposa estava bem, não a encontrou em nenhum cômodo, porém, localizou duas cartas manuscritas com a caligrafia de Virgínia. Eram duas notas de suicídio, endereçadas a ele e à irmã Vanessa.

"Querido, tenho certeza de que estou ficando louca de novo. Sinto que não podemos passar por outro daqueles tempos terríveis. E não vou me recuperar dessa vez. Começo a ouvir vozes e não consigo me concentrar. Então, estou fazendo o que parece ser a melhor coisa a fazer”.


+Conheça melhor a literatura internacional em obras disponíveis na Amazon:

Orlando, por Virginia Woolf (2014) - https://amzn.to/2yDPvxL

O Sol e o Peixe, por Virginia Woolf (2015) - https://amzn.to/2WBcwtf

Sonetos de Camões, de Luís de Camões (2016) - https://amzn.to/2KqBshf

Frankenstein: O clássico está vivo!, de Mary Shelley (2017) - https://amzn.to/2S0PSc7

Poema, de Lord Byron (2008) - https://amzn.to/2RZulR9

Os miseráveis, de Victor Hugo (2014) - https://amzn.to/34XLiRp

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W