Matérias » Brasil

Um capítulo pouco discutido: os estupros no Cangaço Nordestino

Muitos acreditam que o bando de Lampião era composto de valentes heróis, todavia, esquecem de ver o ponto de vista das mulheres, submetidas às piores violências

André Nogueira Publicado em 12/02/2020, às 11h53

Pancada e Maria Jovina, do bando de Lampião
Pancada e Maria Jovina, do bando de Lampião - Wikimedia Commons

O Cangaço foi um dos movimentos de infração da lei mais famosos da história do Brasil. A sua atuação nos sertões causou desespero e violência entre a população. Independentemente da versão que tivermos do bando de Lampião como heróis ou bandidos, é impossível ignorar o fato de que os bandoleiros cometeram diversas agressões contra pessoas humildes.

Um dos fatores mais fortes na violência do cangaço era a violação do bando com as mulheres. O estupro era visto de maneira ambígua pelos cangaceiros: ao mesmo tempo em que era entendido como uma violação, era frequentemente praticado.

No caso dos estupros coletivos realizados pelos bandos, a prática ficou conhecida como gera. Frequentemente praticados com furor, era uma forma de dominação das mulheres sertanejas comuns entre os homens de Virgulino.

A jornalista Adriana Negreiros foi responsável por um relevante debate dessa infeliz cultura, através da biografia Maria Bonita: sexo, violência e mulheres no cangaço. Para ela, essa pratica comum, como forma de domínio e mantimento de poderes masculinos, tinham diversas motivações individuais. A infelicidade de topar com um bando poderia levar à violência completa.

Maria bonita / Crédito: Wikimedia Commons

 

Muitos casos de estupros eram formas de repressão ao que Lampião ou o bando reprovavam. O primeiro caso de violência relatado por Negreiros é o de uma mulher que Virgulino encontrou, que era casada com um homem de 80 anos. O cangaçeiro, inconformado com a situação, degolou o idoso, partindo em seguida para cima da esposa, que foi agredida e estuprada (sempre tendo Lampião como o primeiro a violar a vítima). O rito era comum e praticado contra os inimigos do bando.

Porém, não eram apenas as mulheres de fora do bando que eram estupradas: muitas companheiras dos bandidos também passavam por violências do tipo, pois eram obrigadas a servirem à libido de seus maridos. Muitas delas, inclusive, entraram no bando em situações de sequestro, e começaram no mundo do crime por estupros. Inclusive, nenhuma delas poderia fugir sem antes ser baleada até a morte.

Maria Bonita, ou de Déa, não estava livre dessas agressões. Negreiros afirma em seu livro que “todas as cangaceiras, Maria incluída, eram tratadas como inferiores aos homens. Ela viveu uma existência marcada pela violência – e uma das mais fortes certamente foi entregar a filha recém-nascida, Expedita, para um casal, visto que as cangaceiras não tinham o direito de criar os próprios filhos”.

Dadá e Corisco / Crédito: Wikimedia Commons

 

Outra vítima foi Dadá, que havia sido raptada por Corisco para entrar no cangaço aos 12 anos. Ela foi sequestrada dos braços dos pais, amarada a um jumento e levada para o interior da caatinga, até que o sequestrador parou, a jogou no chão e a estuprou violentamente. 

Outro caso notório foi o de Dulce Menezes dos Santos, sequestrada ainda jovem pelo cangaceiro Criança, estuprada e mãe por obrigação. Muitos são os exemplos possíveis sobre o tema, e mesmo assim, a comunidade acadêmica tende a reduzir o peso dos fatores ligados à violência sexual na vida cotidiana do Cangaço.

Essa é uma das denúncias feitas pela revolucionária biografia escrita por Adriana.  “Nenhuma dessas terríveis cenas me chocou tanto quanto a mais incômoda das constatações: a de que os relatos das cangaceiras são geralmente desacreditados em relação à extrema brutalidade da qual foram vítimas”, afirmou a autora.


+Saiba mais sobre o cangraço através dos livros abaixo

Cangaços, de Graciliano Ramos (2014) - https://amzn.to/37pGy7p

Os cangaceiros, de Luiz Bernardo Pericás (2010) - https://amzn.to/30SLA9O

Apagando o Lampião, de Frederico Pernambucano de Mello (2018) - https://amzn.to/2TVp7HO

Maria Bonita, de Adriana Negreiros (2018) - https://amzn.to/2NVgAkz

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.