Matérias » Monarquia

Um filho ilegítimo? O segredo da Princesa Louise, filha da rainha Vitória

No século 19, acredita-se que a família real britânica tenha escondido o acontecimento a fim de não causar um escândalo

Nicoli Raveli Publicado em 13/05/2020, às 18h00 - Atualizado às 19h30

Princesa Louise, filha da rainha Vitória
Princesa Louise, filha da rainha Vitória - Wikimedia Commons

A família real britânica do século 19 era composta por muitas crianças, já que a rainha Vitória – soberana que governou de 1837 a 1868 – teve nove filhos. Entre eles, estava a princesa Louise. Quando a garota nasceu, porém, não foi recebida como seus irmãos: sua mãe já estava farta de lidar com bebês e, em seu diário, descrevia a garota como difícil, impertinente e rebelde.  

Sem o carinho materno, a princesa vivia muitos dias conturbados e, na maioria deles, tentava encontrar alguma maneira de chamar a atenção de sua mãe, mas raramente obtinha sucesso.

Entretanto, o triste fato não impediu que Louise se tornasse uma artista talentosa. Entre suas obras, a mais conhecida é a estátua de sua mãe, que está localizada no jardim de Kensington Place. Mas, para a surpresa de muitos, seu talento não foi o único motivo para que seu nome ganhasse destaque.

Escândalo real  

A partir de um casamento arranjado, a princesa casou-se com o Marquês de Lorne, John Campbell. O matrimônio, porém, foi marcado por poucas relações amorosas, já que o homem era homossexual. Dessa maneira, o casal não dispôs de nenhum herdeiro, o que causava diversos questionamentos entre os britânicos.  

A jovem princesa Louise / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em meio a esses rumores, Louise deu abertura para que mais um boato surgisse: a fim de saciar seu desejo sexual, a mulher traiu seu marido diversas vezes e, supostamente, teve um filho com Walter Stirling, tutor do príncipe Leopoldo, que apresentava graves sintomas de hemofilia (doença que causa a má coagulação do sangue).

Acredita-se que é devido a esse fato que os Arquivos Reias de Windsor negam qualquer pedido de acesso aos documentos que envolvem o nome da princesa e do tutor, mas isso não impediu que a biógrafa e historiadora e autora do livro The Mystery of Princess Louise, Lucinda Hawksley, de tentar desvendar o mistério.  

As investigações de Hawksley  

Ao investigar o caso, a historiadora descobriu que Stirling começou a trabalhar na Casa Real em 1866 e podia ser visto até mesmo como o pai de Leopoldo, já que o jovem havia perdido seu pai há poucos meses. Por consequência, o trabalhador passava grande parte de seu tempo com o príncipe e Louise sempre os acompanhava. 

Para Hawksley, foi em um desses encontros que o romance foi despertado. Mesmo sem ter acesso aos documentos reais, a especialista afirma que a sexta filha da rainha Victória deu à luz um filho ilegítimo.  

Princesa Louise, pertencente a família real britânica do século 19 / Crédito: Wikimedia Commons

 

A especialista ainda alegou que, quando a criança nasceu, a princesa buscou uma forma de evitar um escândalo. "Havia um bebê que não tem certidão de nascimento, nascido em 1866/1867, e foi adotado muito apressadamente pelo filho do ginecologista da rainha Vitória, um sujeito chamado Sir Charles Locock", acrescentou.

Todavia, isso não impediu que a rainha Vitória descobrisse sobre o romance proibido. Para isso, a escritora defendeu a suposição de que a soberana havia encontrado um jeito de se livrar de Stirling e, ainda garantir que o homem não espalhasse uma informação que poderia ter consequências catastróficas.  

"É muito intrigante como Walter Stirling foi contratado pela família real e, quatro meses depois, foi demitido”. Segundo a autora, o tutor dispunha de uma mesada para garantir sua discrição.

O mistério continua  

Disposta a encontrar mais informações, Hawksley entrou em contato com os Lococks para ter acesso a fotografias da criança. Segundo ela, havia grande similaridade entre os traços do garoto — que já havia morrido em uma data desconhecida —  com os membros da família real britânica.  

Os descententes adotivos de Henry, porém, nunca puderam comprovar que o garoto fazia parte da realeza. Entretanto, afirmaram a Lucinda que realmente acreditava que o menino fosse filho da princesa.  

Princesa Louise com a mão em seu rosto / Crédito: Wikimedia Commons

 

Louise também nunca permitiu que os detalhes viessem a público e soube esconder a suposta gravidez desde os primeiros meses, já que não contava com a ajuda de nenhuma criada para se vestir e utilizava vestimentas largas. 

A princesa morreu em 1939, aos 91 anos, quando já realizava poucos deveres reais e levou consigo um grande mistério.


+Saiba mais sobre a família real britânica por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

O Amor Da Princesa Diana, de Anna Pasternack (2018) - https://amzn.to/2xOZ8c9

A história do século XX, de Martin Gilbert (2017) - https://amzn.to/2yFZMcv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7