Matérias » Personagem

Vício em jogos, extravagância e filhos ilegítimos: a escandalosa duquesa Georgiana Cavendish

Retratada no filme A Duquesa, a ancestral da Princesa Diana tinha hábitos polêmicos e uma amizade bastante controversa

Vanessa Centamori Publicado em 17/06/2020, às 16h30

Georgiana Cavendish
Georgiana Cavendish - Wikimedia Commons

Na Devonshire House, residência dos Duques de Devonshire, vivia a ancestral da Princesa Diana, a extravagante Georgiana Cavendish. Inspirada na moda, ela exibia trajes estranhos, como um cocar de penas de avestruz de um metro e meio. A moça de linhagem nobre era filha de John, o primeiro conde de Spencer, e sua esposa, Margaret Georgiana Poyntz. 

Retratada em 2008 pelo filme A Duquesa, do diretor Saul Dibb, na vida real, Georgiana foi uma poderosa mulher, casada aos 17 anos. Ela era uma das figuras mais carismáticas da alta sociedade britânica. Conhecida como Gee, a Duquesa de Devonshire brilhou por seu estilo e, acima de tudo, pelo seu envolvimento na política, sendo defensora central do Partido Whig — mesmo que mulheres ainda não pudessem votar. 

Casamento com o Duque de Devonshire

O casamento de Georgiana com seu marido, o desejado William Cavendish, 5.º Duque de Devonshire, ocorreu em 5 de junho de 1774. No entanto, o nobre, de 25 anos de idade, não era o match perfeito para a agora duquesa. Ele vivia distante dela e passava muito tempo jogando cartas no clube Whig, Brook's, em St James, Londres. 

Durante os primeiros nove anos de seu casamento, Georgiana sofreu uma série de abortos, o que foi visto com maus olhos, já que muito se esperava que ela gerasse um herdeiro masculino para o ducado. 

William Cavendish, o Duque de Devonshire / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Eventualmente, ela conseguiu dar à luz duas meninas. O esperado menino chegou também, e foi batizado com o nome do pai, William. O garoto posteriormente tornou-se o 6º Duque de Devonshire. Enquanto isso, também nasceu uma criança ilegítima —  Charlotte Williams, fruto de uma relação extraconjugal. 

O Duque de Devonshire tinha traído Georgina. Ela só ficou sabendo disso anos após os dois já terem consagrado matrimônio. Quando a amante do duque morreu, a pequena Charlotte, menina produto da infidelidade, teve que ser criada pela duquesa. A mãe de Georgina a alertou para não contar a ninguém que a criança era bastarda. 

Hábitos polêmicos e política 

Em meio ao seu casamento infeliz, Georgiana Cavendish encontrava diversão em outras áreas da vida, como na moda e na política. Ela rapidamente se tornou referência em vestimenta e maneirismos. O sucesso social, porém, teve um preço: o consumo excessivo de álcool e o vício insaciável nos jogos. 

Esse comportamento fora da curva era comum entre amigos e parentes dos Devonshires. A Casa Devonshire não só incluiu políticos célebres e inteligentes, mas também libertinos como John Frederick Sackville, terceiro duque de Dorset, e Charles James Fox. 

Por sua vez, Fox, um estadista de destaque na Câmara dos Comuns, convenceu Georgiana a assumir um papel mais ativo no partido Whig. Em setembro de 1780, ela fez sua primeira aparição em nome do partido, escalando as pessoas de Westminster a apoiarem Fox. 

Charge ridicularizando Georgiana Cavendish, ao acusá-la de comprar votos para o partido Whig com beijos / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Durante a próxima campanha eleitoral, no entanto, após a duquesa instigar eleitores, Georgina foi alvo da imprensa pró-governo, que lançou uma campanha difamatória contra ela, insinuando que a dama estava trocando beijos por votos.

Sua figura esteve em folhetos e jornais, que a representavam como uma mulher sexualmente depravada que estava corrompendo os eleitores de Westminster. Resultado: a eleição foi um fiasco, não só para os Whigs, como também para a reputação pessoal da duquesa.

A querida amiga da onça 

Em 1782, a vida íntima de Georgiana Cavendish passou por um furacão chamado Lady Elizabeth Foster, conhecida como "Bess". A mulher recém-separada tornou-se amiga da duquesa — e amante do marido dela.

Começava um escandaloso ménage à trois, que durou pelos próximos 25 anos, resultando em mais dois filhos ilegítimos do duque. Eram eles Augustus Clifford e Caroline Rosalie St Jules. Ambos foram criados por Georgiana, junto de seus filhos legítimos, na Devonshire House. 

Um fato curioso é que, mesmo a amiga indo para a cama com o próprio marido dela, Georgiana pode ter também tido sentimentos amorosos por "Bess". Isso não é claro, mas gera suspeita de um possível poliamor para os historiadores, principalmente pois a duquesa escrevia cartas carinhosas e fervorosas pra amiga.

Uma das correspondências que apontam para uma tendência lésbica diz: "Minha querida Bess, você ouve a voz do meu coração chorando por você? Você sente o que é para mim me separar de você? ... Oh Bess, cada sensação que sinto, mas aumenta minha adoração a você".

Georgiana, a Duquesa de Devonshire / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Filha bastarda 

Após Georgina dar à luz seus filhos legítimos, ela traiu o Duques de Devonshire com um homem chamado Charles Gray, que era político Whig. Em 1791, a duquesa engravidou do amante. Enfurecido, o marido a deu duas alternativas: divórcio ou exílio. 

A dama optou pelo exílio, pois não queria deixar seus filhos sem riquezas. Viajou para a França, onde passou por um sufoco, com medo de morrer no parto. Sobre isso, ela escreveu um bilhete para o seu próprio neném: "Assim que você tiver idade suficiente para entender essa carta, ela será entregue a você. Ela contém o único presente que posso lhe dar: minha benção, escrita em meu sangue", registrou. 

Por sorte, apesar das tribulações da viagem, tudo ocorreu bem e uma menina, Eliza Courtney, nasceu em fevereiro de 1792. A criança foi enviada para viver com os avós paternos, pois Georgina não podia reconhecê-la. A mãe sentiu uma tremenda culpa pelo abandono da filha. 

Mesa de jogos na Devonshire House / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Morte

Em 1795, o amante de Georgina, Charles Gray, se casou sem antes informá-la. E eventualmente, a duquesa voltou para a Inglaterra. No fim de sua vida, ela desenvolveu uma infecção no olho direito, que se espalhou para o esquerdo, deixando-a com cicatrizes e praticamente cega.

Conforme a saúde piorava, também se agravava o vício em jogos de apostas. A morte chegou em 30 de março de 1806, na Devonshire House. A causa foi um abcesso no fígado. Durante sua partida, a duquesa teve a companhia do marido, da mãe e irmãs, além da controversa amiga, Lady Elizabeth Foster.


+ Saiba mais sobre a família real britânica por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

O Amor Da Princesa Diana, de Anna Pasternack (2018) - https://amzn.to/2xOZ8c9

A história do século XX, de Martin Gilbert (2017) - https://amzn.to/2yFZMcv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7