Matérias » Crimes

Violações, abortos forçados e feridas a laser: a seita sexual NXIVM, que envolveu até nomes de Hollywood

Mulheres ricas e famosas passavam fome para alcançar o padrão de beleza exigido pelo lunático líder do grupo, Keith Raniere

Vanessa Centamori Publicado em 11/04/2020, às 21h00

Keith Raniere e as mulheres da seita NXIVM
Keith Raniere e as mulheres da seita NXIVM - Divulgação/ Youtube

Nada da palavra seita, mas sim "grupo de autoajuda". Era sob essa designação que o ex-programador de computadores Keith Raniere fundou, em 1998, um esquema, que prometia revelar segredos do triunfo pessoal e da prosperidade. Aquela conversa convenceu pessoas ricas e famosas, que participavam das reuniões macabras da NXIVM ( se pronuncia "nexium"). 

Aquilo chegou até um ponto crítico, no qual a seita reuniu milhares de pessoas em palestras e treinos, que prometiam passar um mix de uma pseudo-filosofia, religião e programação neurolinguística. Só que, por trás do glamour da alternatividade das palavras, havia, na verdade, um aspecto macabro e horripilante. 

A seita era nada mais do que uma armadilha. Aliciava mulheres para que elas se tornassem escravas sexuais e fossem submetidas a trabalhos forçados. As moças eram até mesmo marcadas a laser, como se fossem gado. Em seus corpos ficavam as iniciais do líder, que era respeitado como um guru espiritual pelas socialites. 

Keith Raniere e as mulheres da seita NXIVM / Crédito: Divulgação/ Youtube  

 

Membros notáveis

Uma das integrantes mais notórias da seita foi a atriz Allison Mack, conhecida por atuar como Chloe Sullivan no seriado Smallville. Ela ingressou no grupo macabro em 2007, a convite de sua colega de elenco, Kristin Kreuk. Allison passou a recrutar outras mulheres para o líder Keith Raniere e se tranformou em uma das cabeças do grupo. 

Em 2016, através de mensagens no Twitter, Allison Mack tentou atrair a estrela Emma Watson, da série “Harry Potter”. Não houve qualquer indício de sucesso. Porém, um outro nome famoso foi recrutado com sucesso. 

Allison Mack, atriz da série Smallville / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Era Clare Bronfman, herdeira da destilaria Seagram. Havia ainda a atriz canadense Sarah Edmondson, que contou ao jornal The New York Times sobre os momentos de sofrimento que passou na NXIVM.  

Segundo Edmondson, ela foi obrigada a jurar obediência total ao líder, fez confissões íntimas e até entregou fotos suas sem roupas. As imagens eram depois usadas por ele para chantageá-la. 

Dia a dia de tortura

Após ter suas fotos recolhidas, Sarah Edmondson passou pelo ritual da tatuagem e ficou marcada com as iniciais de Keith Raniere. Durante o procedimento, ela teve que sentar em uma maca e ficar de olhos vendados, tendo seus braços segurados por outras mulheres. 

Raniere também obrigou a moça e todas as outras vítimas a seguirem jejuns e dietas de fome - tudo para satisfazer um padrão de beleza feminina exigido por ele. Além disso, suas discípulas tenham todas que saciar o desejo sexual doentio de Raniere, sem a opção de negar qualquer uma de suas vontades. 

Cicatrizes feitas a laser na seita NXIVM / Crédito: Wikimedia Commons 

 

A seita tinha uma estrutura totalmente inventada por Keith Raniere, que organizava as seguidoras em escalas. As recrutas mestres deveriam arranjar seis escravas. Por sua vez, essas seis deveriam encontrar mais seis cada uma, para subir uma hierarquia fictícia. 

As escravas não precisavam viver junto a Raniere, porém tinham que estar disponíveis para eles. Elas, por exemplo, não podiam nem sequer atrasar 1 minuto para responder mensagens de texto, pois poderiam ser punidas. Além disso, algumas mulheres foram forçadas até mesmo a fazer abortos.

Keith Raniere, com uma das mulheres da seita / Crédito: Divulgação / Youtube 

 

"Havia sempre uma espécie de entretenimento, diferentes tipos de cerimônias de homenagem a Keith nos diferentes centros, apresentações de cantores. Mas tudo se concentrava na ideia de prestar um tributo a Keith e celebrar o trabalho de Keith", declarou uma testemunha anônima, ao jornal americano Times Union.

A verdade vem à tona 

Investigações policiais não descobriram até hoje quantas mulheres foram vítimas do lunático. Segundo a Forbes, as autoridades foram alertadas sobre a NXIVM em 2003. Só que as investigações não foram a diante, fazendo com que a organização continuasse funcionando. 

Segundo o The New York Times, o argumento usado pela NXIVM era que as mulheres estavam agindo consensualmente, portanto, aspectos técnicos impediam ações legais. A verdade só veio à tona no fim de 2017, quando foi descoberta a participação da atriz Allison Mark, que recrutava as moças. 

Em março de 2018, o líder Keith Raniere foi preso no México. Mark também foi presa no mesmo ano. Foram detidas ainda a bilionária Clare Bronfman e outras três mulheres, entre elas Nancy Salzman, de 64 anos, cofundadora da seita.


++Saiba mais sobre crimes por meio das obras disponíveis na Amazon:

The Telephone Murder: The Mysterious Death of Julia Wallace, Ronald Bartle (2018) - https://amzn.to/2wc0vkN

The Killing of Julia Wallace, John Gannon (2013) - https://amzn.to/39F9Pv5

A Anatomia da Violência: As Raízes Biológicas da Criminalidade, Adrian Raine (2015) - https://amzn.to/2X8dLlC 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du