Matérias » Escravidão

Violência, depressão e morte: os horrores dos navios negreiros

Uma das maiores atrocidades da História foram essas embarcações que — em condições deploráveis e violentas— levavam negros capturados em África para uma vida de escravidão

André Nogueira Publicado em 06/06/2020, às 08h00

Navio Negreiro
Navio Negreiro - Getty Images

Palavras como "desumano" ou "infernal" não fazem justiça ao horror puro, cru e abjeto de um navio negreiro. É difícil encontrar algo comparável na História quando humanos tiveram de passar por um sofrimento comparável, talvez os campos de morte nazistas, com a diferença fundamental que os navios negreiros queriam suas vítimas — na medida do possível vivas.

Medida essa bem pequena, quando a altíssima margem de lucro mais que compensava pelas perdas no caminho — que eram, aliás, asseguradas por bancos, cobrindo qualquer prejuízo em caso de "acidentes". Muitos navegadores, inclusive, permitiram a morte de negros em benefício dos seguros.

Países, como o Brasil, dependiam dos escravos. Muito papel foi gasto para justificar a instituição da escravidão, inclusive entre autoridades máximas da Igreja Católica. Mesmo na época, o negócio era universalmente considerado desprezível. Marinheiros de outras embarcações tinham horror aos navios negreiros. Seja por decência humana ou por pura repulsa física.

Maquete das divisões do navio negreiro / Crédito: Wikimedia Commons

 

Era afirmado ser possível reconhecer um navio negreiro pelo cheiro de suor, excremento e principalmente morte. Os próprios marinheiros evitavam descer aos conveses de "carga". Outra razão para a recusa de trabalhar num navio desses era a alta periculosidade do negócio: uma tripulação de 30 pessoas tinha que lidar com a possibilidade de motim por centenas de cativos.

Outro risco surgiu em 1807, quando os ingleses aboliram o tráfico em suas possessões e progressivamente passaram a perseguir toda e qualquer embarcação que levava escravos no Atlântico. O Brasil cedeu às pressões britânicas e aboliu o tráfico em 1850.

A Lei Eusébio de Queirós, que sancionou a proibição, deu origem ao termo "para inglês ver". Sem fiscalização, o tráfico continuaria até a abolição final, em 1888, o que transformou o Brasil, na prática, num Estado-pirata.

O nível de insalubridade de um navio negreiro pode ser ilustrado num exercício feito por Laurentino Gomes, escritor e entusiasta de História, ao relatar que as rotas de tráfico no Atlântico modificou a rotina dos tubarões no oceano.

Isso porque a região onde as embarcações passavam costumavam ter uma série de corpos de escravizados mortos boiando, que viravam alimento para animais. As mortes nos navios eram tantas, que se tornou hábito. Segundo Laurentino na obra Escravidão: Tomo I, pelo menos 1,8 milhão de negros — cerca de 10% — morreram no mar durante a Era do Tráfico.

Gravura de Rugendas sobre a prática / Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma das consequências mais famosas dessas condições aos negros era o banzo, uma espécie de depressão desenvolvida pelos cativos pelo cenário de desesperança, abusos e cárcere. O sentimento gerava melancolia e vontades suicidas, além do claro desgosto pela vida e lágrimas. Renato Pinto Venâncio, da Universidade de Ouro Preto, afirma que o suicídio entre escravos era até três vezes mais frequente do que entre homens livres.

Os navios negreiros foram marcados pelas condições deploráveis de existência e pela rotina de prisão. Geralmente acorrentados, os negros eram impedidos de fazer suas práticas culturais e religiosas, e tinham horários regrados de exercícios e para tomar sol. Fome, sede e doenças eram padrão.

Os responsáveis pelo navio, em geral, pouco se importavam com as condições dos cativos, salvo exceções preocupadas com a mercadoria. Os negros dormiam no mesmo local em que faziam suas necessidades.

Muitos mortos eram renegados a apodrecerem nos porões — não era hábito que marujos entrassem no local de encarceramento. A alimentação era fraca, sendo simplesmente lançada ao porão para que os escravos se digladiassem por pedaços. Isso exigiu uma série de organizações entre eles, o que era dificultado pela mistura de etnias  proposital, incluindo grupos originalmente inimigos.

Modelo de navio negreiro/ Divulgação/Otavio Silveira

 

O tema do tráfico e, portanto, dos abusos e crimes cometidos pelos vendedores de escravos, ligados ao governo português colonial, foi retratado no famoso poema Navio Negreiro, do brasileiro Castro Alves.

Sua lírica e seu enfático teor descritivo denunciaram os horrores cometidos pelo regime escravista na Colônia e no Império, que jamais foi reparado pelas autoridades brasileiras.


+Saiba mais sobre a escravidão através de grandes obras disponíveis na Amazon

Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos, 2018 - https://amzn.to/2Y0apkO

Escravidão – do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares, Laurentino Gomes, 2019 - https://amzn.to/2yFP9Gn

Ser escravo no Brasil: Séculos XVI-XIX, Kátia M. de Queirós Mattoso, 2016 - https://amzn.to/3cFWMvs

Feitores do corpo, missionários da mente, de Rafael Marquese, 2004 - https://amzn.to/356TDC7

Manual Jurídico da Escravidão: Império do Brasil, de André Barreto Campello, 2018 - https://amzn.to/2VZAeii

Escravidão e capitalismo histórico no século XIX: Cuba, Brasil e Estados Unidos, de Ricardo Salles e Rafael Marquese, 2016 - https://amzn.to/2KssujA

Escravidão e cidadania no Brasil monárquico, de Hebe Maria Mattos (1999) - https://amzn.to/2rcVZPV

Na Senzala, uma Flor, de Robert W. Slenes (2012) - https://amzn.to/333xXV0

A escravidão no Brasil, Jaime Pinsky (1988) - https://amzn.to/344nNEN

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W