Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Brasil

Virou o Méqui 1000: A história do casarão Hannud, ícone da Av. Paulista

Antes de abrigar a milésima filial da rede de fast-food, o local percorre mais quase 80 anos de história no endereço

Wallacy Ferrari Publicado em 07/06/2022, às 13h06

Imagem do casarão do número 1811 na Av. Paulista - Divulgação / YouTube / Google Street View
Imagem do casarão do número 1811 na Av. Paulista - Divulgação / YouTube / Google Street View

O casarão que ocupa o número 1811 na Avenida Paulista, um dos endereços mais notórios da América Latina, já foi reconfigurado esteticamente diversas vezes.

Antes de abrigar a milésima filial da rede de fast-foods McDonald's, popularmente conhecida como Méqui 1000, ela foi palco para ações da NBA, liga de basquete norte-americana, já instalou um banco e chegou a ficar vazia, sem qualquer uso ou morador.

Contudo, revisando a história do endereço, é necessário compreender a origem de sua criação. Até o ano de 1944, o terreno não tinha a mesma forma, mas abrigava uma residência no estilo de um chalé suíço.

Contudo, o proprietário faleceu, possibilitando Maria e Wagih Hannud, comerciantes do ramo têxtil, a se mudarem junto dos 4 filhos para o local, cujo endereço já era cobiçado há anos pela esposa.

Ambos eram imigrantes e, Maria, em especial, se formou no Conservatório Dramático Musical, curiosamente tendo aulas com Mário de Andrade durante o período, segundo apura a revista Esquinas.

Virando casarão

Ao adquirirem o local, demoliram a primeira residência e construíram a mansão com os padrões arquitetônicos conhecidos até os dias atuais. A revista Esquinas ainda apurou que o desenho do casarão foi feito em 5 meses com base em recortes de almanaques reunidos por Maria, que usou diversas referências para a modelar a casa dos sonhos.

Desenho original da decoração do casarão / Crédito: Divulgação / Revista Esquinas

Para concretizá-la, mais 5 anos de construção e, por fim, decoração, do inglês Mr. Ronald Upstone. Por lá ficariam até o início dos anos 1990.

Com o tempo, as grandes escadas e espaços amplos tornaram-se vilões aos residentes mais antigos durante o envelhecimento pelas dificuldades de locomoção.

A família Hannud se mudou para um apartamento e continuou a administrar o endereço para aluguel, abrigando o extinto BankBoston a partir de 1996 e, ao ter seus ativos comprados em 2006, passou a abrigar o Itaú, encerrando o contrato em 2016.

Até 2019, eventos temporários de marcas diversas passaram pelo local, especialmente em períodos natalinos, até comportar a lanchonete internacional atualmente instalada no casarão.