Matérias » Personagem

Zahra Joya: A saga da menina que fingiu ser garoto para poder estudar

Nascida sob o regime do Talibã, a afegã correu riscos inestimáveis para priorizar sua educação

Penélope Coelho Publicado em 03/02/2021, às 09h53

Zahra como Mohammed
Zahra como Mohammed - Divulgação / Arquivo Pessoal

A história de Mulan, um dos mais famosos filmes da Disney narra a saga de uma jovem garota que se passa por um menino para poder ir à Guerra, com objetivo de lutar no lugar de seu pai, já é conhecida pela maioria das pessoas.

Contudo, o que poucos sabem é que uma história parecida aconteceu de verdade com uma afegã chamada Zahra Joya. A menina teve que enfrentar uma verdadeira batalha  somente para poder estudar. A história foi revelada através de uma reportagem da BBC, publicada em 2016.

O disfarce

Nascida em 1993, no Afeganistão em meio ao regime do Talibã — um grupo islâmico nacionalista que se difundiu no Afeganistão e no Paquistão — desde muito nova Zahra se viu impedida de realizar atividades básicas, já que na época, as mulheres não podiam frequentar a escola.

Ainda pequena, a menina via seus tios irem para aula todos os dias e o desejo de fazer o mesmo crescia dentro dela. Vendo a vontade da garota, um dos tios decidiu ajudar a sobrinha, iniciando um plano arriscado que foi aceito por toda a família.

Na época com cinco anos de idade, Joya passou a se disfarçar e fingiu ser um garoto para poder ir para a escola. Abrindo mão dos trajes femininos tradicionais de seu país, a criança teve que conviver em um ambiente inteiramente masculino.

Fotografia atual de Zahra Joya / Crédito: Divulgação / Joel van Houdt

 

Para que o disfarce fosse ainda mais verossímil, ela adotou o nome de Mohammed. A afegã corria o risco eminente de ser pega, se isso acontecesse ela teria de enfrentar punições severas por parte do Talibã. Mas, a jovem decidiu colocar sua educação em primeiro lugar.

Durante seis anos, Zahra passou ilesa sem que ninguém soubesse a verdadeira identidade de Mohammed. Nesse período, a garota aprendeu a se comportar como um menino. Quando tinha 11 anos de idade, o regime do Talibã caiu e o novo governo do país cancelou a ordem que proibia o ensino para mulheres, sendo assim, finalmente a menina pôde se libertar.

Reações

Ao contrário do que a afegã pensava, as maiores dificuldades em seu caminho surgiram depois que ela pôde contar a verdade para seus colegas de classe, a aceitação foi difícil.

Com a nova escola — que separava meninos e meninas —, Zahra enfrentou preconceito por parte dos amigos antigos que achavam estranho a mudança, já as garotas não a aceitavam no novo grupo.

Talibãs nas ruas / Crédito: Wikimedia Commons

 

Apesar dos problemas, Joya se manteve otimista, pois sabia que tinha vantagem em sua educação, já que havia passado os seis anos anteriores estudando. “Eu dizia que estava feliz porque eu podia ler, escrever, tive educação no tempo certo. Estava orgulhosa porque tinha voz”, contou a jovem em entrevista para a BBC.

O futuro

Seu apreço pelos estudos não parou na escola, a jovem foi além e decidiu cursar faculdade, algo incomum para mulheres em seu país. Ela optou pelo direito e enfrentou dificuldades financeiras para conseguir se formar, mas, seu ensino foi concluído com sucesso.

Hoje em dia, aos 28 anos, Zahra atua como jornalista e sustenta toda sua família com o dinheiro de seu trabalho, a mulher pagou inclusive pela educação de suas duas irmãs mais novas.

Em entrevista, Joya revelou que às vezes sente falta de seu alter ego Mohammed, já que a situação da mulher no Afeganistão ainda está longe de ser o ideal, no país ela ainda enfrenta opressão e diversas barreiras, além de não possuir os mesmos direitos que os homens.


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon:

Sob a sombra do terror, de Jean Sasson e Omar Bin Laden (2010) - https://amzn.to/37HiWuH

Plano de ataque: A história dos vôos de 11 de setembro, de Ivan Sant'Anna (2014) - https://amzn.to/39NMGba

Introdução ao Terrorismo: Evolução Histórica, Doutrina, Aspectos Táticos, Estratégicos e Legais, de Ângelo Fernando Facciolli (2017) - https://amzn.to/2AbphDk

Globalização, democracia e terrorismo, de Eric Hobsbawm (2007) - https://amzn.to/2zBYgc8

Terrorismo e relações internacionais - Perspectivas e desafios para o século XXI, de Mônica Herz (2010) - https://amzn.to/3ev4rxz

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W