Vitrine » Hollywood

Alcoolismo, 5 casamentos e morte repentina: a vida íntima de Richard Burton

Embora tenha sido indicado sete vezes ao Oscar, o astro de Hollywood faleceu sem nunca ter ganhado uma das estatuetas

Victória Gearini Publicado em 02/07/2020, às 18h35

Richard Burton em O Robe (1953)
Richard Burton em O Robe (1953) - Wikimedia Commons

Richard Burton foi um notório ator de sua geração, amplamente aclamado pela crítica, no entanto, após alguns episódios envolvendo alcoolismo, relacionamentos conturbados e desavenças familiares, a estrela de Hollywood viu sua carreira declinar. 

Infância e início da carreira 

Nascido em 10 de novembro de 1925, como Richard Walter Jenkins Jr., o ator cresceu em um lar humilde em Glamorgan, no país de Gales. Sendo o décimo segundo filho de treze irmãos, o ator teve uma infância conturbada. Por diversas vezes, quando criança, presenciou seu pai sendo agressivo, após ingerir altas quantidades de álcool, já a sua mãe morreu quando ele tinha apenas dois anos de idade. 

Como perdera a figura materna muito cedo, os irmãos mais velhos ficaram responsáveis por cuidar do lar, e o futuro ator se tornou o primeiro membro da família a frequentar o ensino médio, que mais tarde lhe abriria inúmeras portas. Na escola, Burton se destacou, ainda, entre os alunos de músicas, devido a sua bela voz. 

Aos dezessete anos ingressou no teatro, onde adotou o nome artístico Burton, inspirado em um professor da época da escola que o incentivou a seguir a carreira de ator. Mais tarde ingressou em outros cursos da mesma área e ganhou premiações locais. Após se formar em Oxford, ele serviu durante três anos à Real Força Aérea Britânica. 

Richard Burton em No dia mais longo (1962) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Após retornar, estreou seu primeiro filme em 1949, The Last Days of Dolwyn e ficou conhecido pelas suas ilustres interpretações das obras de Shakespeare. Já na década de 60, sua carreira atingiu nível internacional e foi convidado para atuar no clássico Cleópatra, em 1963, onde conheceu Elizabeth Taylor.  

Turbulenta vida pessoal

Ao longo de sua vida, Burton se casou cinco vezes, sendo duas vezes consecutivas com Elizabeth Taylor. Entre 1949 e 1963, o ator foi casado com Sybil Williams, com quem teve duas filhas, Kate e Jessica Burton. Cerca de um ano depois do divórcio, Burton se casou com Elizabeth Taylor, com quem havia contracenado no filme Cleópatra (1963). 

Assim como o relacionamento anterior, Burton e Taylor se separaram, mas 16 meses depois casaram-se novamente e o ator adotou a filha adotiva de Taylor: Eddie Fisher, a herdeira de Taylor com o produtor Mike Todd. 

Em 1966, o casal contracenou novamente no filme Quem tem medo de Virginia Woolf? baseado numa obra de Edward Albee. A trama foi amplamente comparada a vida de Burton e Taylor, pois retratava a vida de um casal envolvido em inúmeras brigas e escândalos amorosos.

Richard Burton como Marcellus Gallio em The Robe (1953) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em julho de 1976, os atores se separaram e aproximadamente um mês depois, Burton se casou com a modelo Suzy Miller, ex-esposa do campeão da Fórmula 1 James Hunt. Nesta fase, o ator tentou parar de beber, mas não conseguiu, o que levou a outro em divórcio em 1982. Cerca de um ano depois, conheceu a maquiadora Sally Hay, com quem ficou casado até o fim de sua vida.

Segundo a biografia de Ellis Amburn sobre Elizabeth Taylor, Burton teria se relacionado com outros homens e já teria seduzido Eddie Fisher, no entanto, as alegações foram fortemente negadas pelo irmão mais novo de Burton, Graham Jenkins. 

Melancólicos anos finais 

Desde jovem Burton sofria com vícios em álcool e tabagismo, o que possivelmente levou ao seu declínio e prejudicou todas as suas relações amorosas. Em seus momentos finais, Burton se preparava para filmar Wild Geese II, a sequência de The Wild Geese, que só foi lançada em 1985. 

Segundo o laudo médico, o ator sofreu uma hemorragia cerebral, que o levou a morte no dia 5 de agosto de 1984, aos 58 anos. Após o fatídico episódio, o personagem de Burton foi substituído por Edward Fox. A tragédia escandalizou a sociedade da época e Burton foi enterrado no Cemitério Vieux, na Suíça. Embora promissor e aclamado, o astro nunca ganhou nenhum Oscar, mesmo tendo sido indicado sete vezes.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W