Vitrine » Cultura

Cinema Nacional: 5 curiosidades sobre a sétima arte no Brasil

Saiba mais sobre a história do cinema em solo brasileiro

Rafaela Bertolini, sob a supervisão de Isabella Bisordi Publicado em 05/11/2021, às 18h53

Afonso Segreto, irmão do pioneiro do cinema no Brasil, Paschoal Segreto (1868-1920)
Afonso Segreto, irmão do pioneiro do cinema no Brasil, Paschoal Segreto (1868-1920) - Revista Nossa História, ano 2, nº 13, pág. 82 / Acervo particular/ Via Wikimedia Commons

Na última sexta-feira, 05 de novembro, foi comemorado o Dia do Cinema Nacional para celebrar a chegada da sétima arte em terras brasileiras. A data é uma homenagem ao dia em que oito filmes curtos foram exibidos para a elite carioca na Rua do Ouvidor, em 1896. Eles tinham em média um minuto de duração e marcaram o início das exibições de filmes no Brasil.

E para comemorar essa data importante para a cultura brasileira, a Aventuras na História te levará para conhecer mais sobre o cinema brasileiro através de 5 curiosidades. Dá só uma olhada:

A data é comemorada duas vezes ao ano

Além do dia 5 de novembro, o cinema nacional também é celebrado no dia 19 de junho. Segundo o site da Alesp, a data é relacionada com o pai do cinema nacional, Affonso Segretto, que registrou pela primeira vez imagens em movimento no Brasil no dia 19 de junho de 1898, ao chegar na Baía de Guanabara.


As primeiras produções

No início, as filmagens brasileiras eram apenas curtas gravações do cotidiano do país. Mas a criação das salas de cinema e a vinda de produções estrangeiras ao país motivaram a produção de filmes como “Limite”, de Mário Peixoto, lançado em 1931 no cinema Capitólio, na Cinelândia, berço cultural do Rio de Janeiro. O filme mudo sobre a finitude humana é considerado o primeiro longa nacional.


Um pé no Oscar

O Brasil já chegou na principal premiação de filmes do mundo! Filmes como “O Quatrilho”, “O Que É Isso, Companheiro?”, "Central do Brasil” e “O Pagador de Promessas” já foram indicados à categoria de Melhor Filme Estrangeiro, sendo que o último foi a primeira produção brasileira a chegar na premiação da Academia. No entanto, o Brasil só alcançou as categorias principais com “O Beijo da Mulher Aranha” de 1985, onde levou a estatueta de Melhor Ator entre as suas indicações, que incluíam Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Roteiro Adaptado.

Mas o momento brasileiro mais lembrado do Oscar é a indicação da Fernanda Montenegro à categoria de Melhor Atriz, sendo a primeira mulher latino-americana a concorrer ao prêmio - o que mais tarde seria considerada uma das maiores injustiças da premiação, já que Montenegro perdeu para Gwyneth Paltrow.

“Cidade de Deus” também foi um grande marco no Oscar, já que foi uma das produções exclusivamente brasileiras que mais conseguiu indicações para a premiação, sendo elas: Melhor Direção, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Edição e Melhor Fotografia.


País rico em festivais nacionais

Apesar da comédia ser um dos gêneros mais apreciados pelo público no país, o Brasil também conta com grandes produções que fogem deste formato. Alguns exemplos são filmes como “Bacurau” e “Que horas ela volta?”, dramas aclamados pela crítica internacional. No entanto, muitos filmes nacionais acabam não chegando nas grandes salas de cinema.

Para aproveitá-los, você pode conferir os vários festivais de cinema espalhados pelo país como o “Festival de Cinema de Gramado” com filmes de origem latina em geral, a “Mostra Internacional de São Paulo” que é super importante para expôr o cinema nacional, o “Festival do Rio” com filmes nacionais, internacionais e uma premiação para os melhores exibidos.


Sucessos de bilheteria e a presença nos streamings

Mas não pense que o cinema nacional é esquecido nos festivais de cinema. Muitos filmes chegaram às grandes salas de exibição e foram um sucesso de vendas. Paulo Gustavo estrelou dois filmes que estão na lista de sucessos como “Minha Mãe é Uma Peça” 2 e 3. Outros filmes como “Dez Mandamentos”, “Nada a Perder”, “Tropa de Elite 2” e “Dona Flor e seus dois maridos” também ocupam as primeiras posições da lista.

O cinema nacional também está presente nas principais plataformas de streaming. Recentemente, os filmes “A Menina Que Matou Os Pais” e “O Menino Que Matou Meus Pais”, que contam a história de Suzane Von Richthofen, foram um grande sucesso no Prime Video. Além disso, o Globoplay também vem investido em produções nacionais, principalmente quando falamos de séries. Algumas das mais famosas são “Todas As Mulheres do Mundo, “Sessão de Terapia” e “Desalma”.


+Confira obras sobre o cinema nacional disponíveis na Amazon:

1. A odisseia do cinema brasileiro, de Laurent Desbois (2016) - https://amzn.to/3CQJUjw

2. Nova história do cinema brasileiro I: Volume 1, de Vários Autores (2018) - https://amzn.to/3wmfPFS

3. Cinema Brasileiro no Século 21, de Franthiesco Ballerine (2012) - https://amzn.to/3bJhps3

4. Enciclopédia do cinema brasileiro, de Fernão Ramos (2000) - https://amzn.to/3wlfyD9

5. O Negro Brasileiro E O Cinema, de João Carlos Rodrigues (2006) - https://amzn.to/3k6p20g

6. Cinema brasileiro: propostas para uma história, de Jean-Claude Bernadet (2009) - https://amzn.to/31qobRy

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W