Vitrine » Cultura

Heroínas negras: escritora retrata histórias em formato de cordel

Heroínas negras brasileiras, de Jarid Arraes, resgata a trajetória de mulheres que lutaram pelos seus espaços na política e na arte

Victória Gearini Publicado em 23/10/2020, às 11h06

Dandara e Carolina Maria de Jesus, respectivamente
Dandara e Carolina Maria de Jesus, respectivamente - Creative Commons

Relançada este ano pela Editora Seguinte, a obra Heroínas negras brasileiras, da escritora Jarid Arraes, resgata a trajetória de mulheres negras que são consideradas verdadeiras heroínas, mas foram esquecidas pela História brasileira.

Em formato de cordel, esta coletânea celebra a memória de quinze mulheres que impactaram a história nacional. Nesta edição, a autora reuniu a memória dessas personagens, que lutaram por liberdade e que reivindicaram seus direitos e espaço na política e cultura. 

[Colocar ALT]
Heroínas negras brasileiras, de Jarid Arraes (2020) / Crédito: Divulgação / Editora Seguinte

Jarid Arraes dá voz as personagens que se opuseram a desigualdade de gênero, raça e classe. Além disso, revela as diversas estratégias adotadas por estas mulheres para sobreviverem e resistirem a uma sociedade racista e patriarcal. 

Dentre as personagens descritas pela escritora estão: Antonieta de Barros; Aqualtune; Carolina Maria de Jesus; Dandara; Esperança Garcia; Eva Maria do Bonsucesso; Laudelina de Campos; Luisa Mahin; Maria Felipa; Maria Firmina; Mariana Crioula; Na Agontimé; Tereza de Benguela; Tia Ciata; e Zacimba Gaba. 

De Tereza de Benguela ― que lutou na linha de frente, liderando o quilombo de Quariterê ― até Luisa Mahin ―  que produziu bilhetes secretos durante a Revolta dos Malês ― a autora consegue emocionar o leitor e espalhar a história das heroínas negras brasileiras.

Disponível na Amazon em formato Kindle e capa comum, Heroínas negras brasileiras, conta, ainda, com as belíssimas ilustrações de Gabriela Pires. Esta obra trata-se, portanto, de um importante relato histórico para as próximas gerações.

Confira abaixo de Heroínas negras brasileiras (2020): 

“Para nós seres humanos, as lembranças trazem reflexões. E, às vezes, estas alimentam aquelas. Inconscientemente, construímos nossas histórias de vida com os retalhos de quem fomos, ou de quem acreditamos ter sido. O que importa é o trabalho de costura. Existe muito de racional escondido sobre o leito desse rio de afetos.

Não somos mais crianças mas elas continuam em nós. O adulto vislumbra os jovem que foi, enquanto é observado pelo idoso. A  partir disso tudo podemos nos parir, contar o que julgamos ser a versão mais fidedigna  de quem somos: a história que, para além nem de apenas justificar ações, alimenta consciência, sonhos, temores preconceitos, fronteiras e amplidão.

Entretanto, a memória de quem somos é mais complexa do que a mera soma dos seixos  que catamos no leito daquele rio. Ela também é formada pelas lembranças dos acontecimentos que acompanharam o nosso grupo social, o fundamento comum de nossa diversidade interna”. 


+Saiba mais sobre esta e outras obras de Jarid Arraes, disponíveis na Amazon:

Heroínas negras brasileiras, de Jarid Arraes (2020) - https://amzn.to/3jmiuaP

Heroínas negras brasileiras (livro autografado + marcador), de Jarid Arraes (2020) - https://amzn.to/3kpugT8

Redemoinho em dia quente, de Jarid Arraes (2019) - https://amzn.to/37uGiqr

As Lendas de Dandara, de Jarid Arraes (1969) - https://amzn.to/3dSiI8u

Um Buraco Com Meu Nome, de Jarid Arraes (2018) - https://amzn.to/34lBUbC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W