Vitrine » Brasil

Censura e resistência: obra revela as semelhanças dos anos de chumbo com o Brasil atual

O autor e jornalista Luiz Octavio de Lima reconstitui o cenário político no país durante o Golpe de 64

Victória Gearini Publicado em 20/03/2020, às 21h05

Manifestação contra o golpe de 64
Manifestação contra o golpe de 64 - Domínio Público

O golpe militar, ocorrido no dia 31 de março de 1964, foi responsável por mudanças significativas na sociedade brasileira. O período é marcado pela censura e pela intensa perseguição contra a oposição. No entanto, o que muitas pessoas questionam, é se há semelhanças com o atual cenário político no país. Para responder essa pergunta, a obra Os anos de chumbo, de Luiz Octavio de Lima, busca analisar e contextualizar ambos os períodos. 

Luiz Octavio de Lima é jornalista formado pela PUC-RJ, e possui MBA em Economia pela Unicamp. O repórter trabalhou nas maiores redações do país, entre elas O Globo, Veja, Época, Exame, Folha de S.Paulo e O Estado de São Paulo. Luiz Octavio foi finalista, ainda, do Prêmio Jabuti — o maior prêmio literário do Brasil — com o livro Pimenta Neves: uma reportagem. 

[Colocar ALT]
Obra Os Anos de Chumbo, de Luiz Octavio de Lima (2020) / Crédito: Divulgação / Amazon

Logo após concluir o livro, o jornalista veio a falecer. Em sua homenagem, a Editora Planeta lançou sua obra em março deste ano. Por meio de uma análise minuciosa, o autor reconstitui o contexto político, social e histórico do país desde o governo de Jânio Quadros até a instauração da ditadura militar. Com materiais inéditos, Luiz Octavio revela os principais acontecimentos que resultaram no Golpe de 64 e dedica a obra, ainda, às gerações futuras, como forma de denunciar os horrores cometidos nos chamados anos de chumbo. 

O livro questiona os caminhos da repressão e da censura, e como isso afetou o cotidiano da população brasileira. Para construir sua narrativa, o jornalista entrevistou personalidades da época e revisou bibliografias. O  historiador Laurentino Gomes — autor da obra 1808 — foi o responsável por escrever o prefácio, enquanto o filósofo Noam Chomsky foi o encarregado de elaborar a quarta capa do livro. Por fim, o escritor Tiago Ferro assinou a preparação.

Segundo Noam Chomsky, o Golpe de 64 representa um período sombrio na história do Brasil, motivo pelo o qual é importante conhecer para não repetir na atualidade. “Uma análise abrangente desse período doloroso e crítico da história moderna do Brasil, tendo como objetivo ‘imergir o leitor no tempo retratado’ em toda sua rica variedade e complexidade. É uma contribuição muito valiosa para a compreensão histórica, com especial significado devido a suas duras e urgentes lições para o hoje”, afirma o pensador. 

Tanques do exército brasileiro, durante o Golpe de 64 / Crédito: Domínio Público

 

Luiz Octavio acompanhou diversas pessoas, durante a construção do livro, entre elas  auxiliares de figuras da repressão, integrantes da Comissão Nacional da Verdade, líderes estudantis tornados guerrilheiros e participantes da conspiração pré-1964. O jornalista entrevistou, ainda, Cabo Anselmo, que passou da militância marxista à colaboração com o regime militar.

Tiago Ferro defende que o foco central desta produção é a democracia, que instiga o leitor a pensar no presente e no futuro, a partir dos erros do passado. “Toda boa síntese histórica cria novos significados e propõe olhares inusitados com o intuito de colaborar com o debate público atual. Este livro de história tem a urgência de quem sabe que é preciso resgatar a tão maltratada democracia. Esta publicação é uma boia de salvamento lançada ao futuro”, declara o escritor. 

Por meio de uma linguagem jornalística e literária, o autor faz uma análise política e  apresenta novas perspectivas sobre o passado, repleto de luta, massacres, incertezas e resistências, assim como aponta Laurentino Gomes no prefácio. 

“A capa deste livro talvez merecesse uma advertência à semelhança das embalagens de medicamentos. Sob o encantamento e a leveza do estilo literário de Luiz Octavio de Lima, estão algumas perguntas incômodas, cujas respostas dependem o sucesso ou o fracasso da construção do Brasil neste início de século XXI. Por que a tentação totalitária é tão forte entre nós? Conseguiremos persistir na democracia e consolidar essa forma de regime político, sem correr o risco de novas e traumáticas rupturas que tanto nos assombraram no passado?”, afirma o historiador.

Por fim, Luiz Octavio resgata os episódios mais emblemáticos deste período, como o Terror no Guararapes, a Primavera Operária, a efervescência política dos festivais, o movimento jovem da década de 60, o conflito armado na Maria Antônia, e a instituição do Ato Inconstitucional número 5, provocando o pensar crítico do leitor. 


+AH - Memórias da Ditadura Militar


+Saiba mais sobre esta e outras obras de Luiz Octavio de Lima disponíveis na Amazon: 

Os Anos de Chumbo, de Luiz Octavio de Lima (2020) - https://amzn.to/2J4XWnu

A guerra do Paraguai, de Luiz Octavio de Lima (2016) - https://amzn.to/2WsGtND

Pimenta Neves - Uma reportagem eBook Kindle, de Luiz Octavio de Lima - https://amzn.to/3djgjTm

1932: São Paulo em chamas: Como a revolução constitucionalista conquistou corações de estudantes, trabalhadores, donas de casa, empresários e quase derrubou Getúlio Vargas, de Luiz Octavio de Lima (2018) - https://amzn.to/2QxfTiE

21 grandes batalhas que mudaram o Brasil, de Luiz Octavio de Lima (2018) - https://amzn.to/2vC9N9k

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du