Vitrine » China

Obra revela os desafios do feminismo dentro do regime autoritário da China

A escritora Leta Hong Fincher mostra como a prisão de cinco ativistas chinesas contribuiu para a consciência política de outras mulheres no país

Victória Gearini Publicado em 09/12/2019, às 20h00

Capa do livro Enfrentando o dragão – O despertar do feminismo na China, de Leta Hong Fincher
Capa do livro Enfrentando o dragão – O despertar do feminismo na China, de Leta Hong Fincher - Matrix Editora

Em 2015, na véspera do Dia Internacional da Mulher, o governo chinês mandou prender cinco feministas chinesas. As ativistas ficaram presas por 37 dias, tal motivo que levou Hillary Clinton a se manifestar e declarar apoio a essas mulheres. Na época, o caso ganhou notoriedade e ficou entre os assuntos mais falados nas redes sociais, por meio da hashtag #freethefive.

As chinesas enfrentam o machismo estrutural do país e encontram desigualdade de gênero em todos os âmbitos. Além disso, há uma grande sensação de injustiça entre essas mulheres que sofrem diariamente com casos de assédio, inclusive de homens membros dos movimentos pelos direitos humanos.

Pensando nisso, cinco mulheres decidiram ir contra esse sistema opressor, mas foram duramente repreendidas pelo governo chinês. Na época da revolução, devido à comoção mundial, a China investiu na mão-de-obra feminina para a construção de uma nova nação comunista.

A obra inédita Enfrentando o dragão – O despertar do feminismo na China, da jornalista Leta Hong Fincher mostra como esse movimento feminista ganhou força no país e como passou a ser uma ameaça para a China.

Lançado pela Matrix Editora, o livro conta com a entrevista das cinco ativistas presas em 2015. Além disso, a autora busca deixar sua obra rica em detalhes e informações por meio de outras entrevistas com especialistas chineses, a fim de esclarecer os desafios eminentes.

Crédito Matrix Editora

 

Leta Hong Fincher traça o surgimento de campanhas e consciência feminista, descrevendo como o regime comunista da China repreendeu o movimento. A grande pergunta feita pela a autora é: se a Revolução Comunista estabelece a igualdade entre homens e mulheres, o que deu de errado nos dias atuais?

Em geral, esta obra busca mostrar como a prisão dessas cinco feministas contribuiu para despertar a consciência política e social de outras mulheres chinesas. A autora denuncia a misoginia presente no pilar de um regime autoritário e esclarece a importância do movimento como percursor de mudanças sociais.


+Saiba mais sobre esta e outras obras de Leta Hong Finger:

1. Enfrentando o dragão: O despertar do feminismo na China, de Leta Hong Finger (2019) - https://amzn.to/2qBsZSd

2. Betraying Big Brother: The Feminist Awakening in China (Edição Inglês), de Leta Hong Finger (2018) - https://amzn.to/36jBWP4

3. Leftover Women: The Resurgence of Gender Inequality in China, de (Edição Inglês), de Leta Hong Finger (2016) - https://amzn.to/2LEirJ9

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.