Vitrine » Personagem

Amor livre ou traição? O insólito caso de amor entre a irmã de Frida Kahlo e o cunhado

"Infelizmente, eu não soube amar somente a ela, porque sempre fui incapaz de amar uma única mulher", disse Diego Rivera em entrevista a Elena Poniatowska

Victória Gearini Publicado em 08/02/2020, às 11h40

Frida Kahlo e Diego Rivera
Frida Kahlo e Diego Rivera - Getty Images

Considerada um dos maiores símbolos feministas e uma das maiores artistas de seu tempo, Frida Kahlo viveu um turbulento relacionamento amoroso com o artista e comunista Diego Rivera, 21 anos mais velho do que ela.

Ainda jovem, Frida Kahlo conheceu o artista Diego Rivera enquanto ele pintava um mural em sua escola. Sempre que o via, a jovem ficava o provocando, por conta de suas famosas traições a sua ex-mulher Lupe Marín. Anos mais tarde e mais madura, Frida o reencontrou em sua cidade e lhe apresentou algumas de suas obras. A partir de então, passou a acompanhá-lo em reuniões comunistas.

Em pouco tempo, estavam apaixonados e decidiram se casar, no dia 21 de agosto de 1929. Frida Kahlo tinha 22 anos, e Diego Rivera, 43. Durante a cerimônia, a ex-mulher de Diego, Lupe Marín, apareceu bêbada, avisando que Frida estaria cometendo um erro e que não seria capaz de saciar todas as vontades do marido.

Frida Kahlo e Diego Rivera / Crédito: Getty Images

 

Ao todo, o casal permaneceu junto durante 25 anos, mas sob inúmeras traições, entre elas envolvendo a irmã da artista mexicana. Em 1934, o casal se mudou para o bairro de San Ángel, no México. Naquele mesmo ano, Frida convenceu o marido a contratar sua irmã, Cristina, para posar nua para a obra O Conhecimento e a Pureza.

Um dia, Frida decidiu passar no estúdio para cumprimentá-los, quando os flagrou mantendo relações sexuais. A artista ficou devastada e saiu de casa. O episódio resultou na obra Umas Facadinhas de Nada, onde Frida retrata uma mulher nua sendo esfaqueada em sua cama. A pintura revela toda a dor e sofrimento da mulher após a maior traição que já sofrera.

Umas Facadinhas de Nada / Crédito: Frida Kahlo

 

Um ano após o ocorrido, em 1935, Frida decidiu voltar para Diego, mas os casos de traição de ambos lados continuaram até o fim de suas vidas. Em 2007, a escritora mexicana Elena Poniatowska revelou que, durante uma entrevista, Diego afirmou que amava Frida, mas não sabia ser fiel.

“Tive a sorte de amar a mulher mais maravilhosa que já conheci. Ela era poesia e a própria genialidade. Infelizmente, eu não soube amar somente a ela, porque sempre fui incapaz de amar uma única mulher", confessou Diego Rivera a Elena Poniatowska.

Frida Kahlo morreu em 1954, em decorrência de uma embolia pulmonar. Já Diego Rivera faleceu três anos depois, em 1957, vítima de uma insuficiência cardíaca.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras:

Frida: A biografia, de Hayden Herrera (2010) - https://amzn.to/3bgAuR7

O diário de Frida Kahlo: Um autorretrato íntimo: Um autorretrato íntimo, de Frida Kahlo (2012) - https://amzn.to/376A9NA

Frida Kahlo: para meninas e meninos, de Nádia Fink (2015) - https://amzn.to/3bq3B4z

Frida Kahlo: uma biografia, de María Hesse (2018) - https://amzn.to/2ODix5g

Kahlo, de Andrea Kettenamann (2014) - https://amzn.to/2S5kABg

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.