Vitrine » Crimes

O que aconteceu com o Maníaco do Parque, o serial killer brasileiro

Francisco de Assis Pereira aterrorizou o estado de São Paulo em 1998 diante de uma onda de crimes

Victória Gearini Publicado em 03/10/2020, às 09h00

Francisco de Assis Pereira, mais conhecido como Maníaco do Parque
Francisco de Assis Pereira, mais conhecido como Maníaco do Parque - Divulgação / Youtube / Brasil Urgente

Em 1998, uma onda de crimes assolou o Parque do Estado, situado na região sul da capital de São Paulo. No local ao menos seis mulheres foram encontradas sem vida, apresentando marcas de abuso sexual.

O autor dos assassinatos era Francisco de Assis Pereira que ficou conhecido como o Maníaco do Parque, tornando-se um dos serial killers mais brutais do país. 

Francisco de Assis Pereira foi condenado a 268 anos de prisão e em 2036 poderá ganhar o benefício do regime semiaberto. Pouco mais de duas décadas, a história do Maníaco do Parque continua despertando curiosidade no imaginário brasileiro. Mas afinal, o que aconteceu com o assassino hoje em dia?

Rebelião e falsa morte

Em dezembro de 2000, a Casa de Custódia enfrentou uma sangrenta rebelião. Na época, a mídia chegou a noticiar que o Maníaco do Parque teria sido morto durante o ataque, no entanto, sua vida foi poupada por Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola — considerado o líder do PCC — e Idemir Carlos Ambrósio, o Sombra

Imagem do Maníaco do Parque / Crédito: Divulgação / Youtube / Brasil Urgente

 

Marcola e Sombra acreditavam que se o Maníaco do Parque fosse morto a imprensa voltaria sua atenção para este acontecimento, ignorando o verdadeiro propósito da rebelião. 

Após o ocorrido, Pereira foi transferido para outra unidade, passando por diversas prisões, até ser alocado na Penitenciária de Itaí. Nos primeiros anos, o local recebia inúmeras cartas de mulheres destinadas ao Maníaco do Parque. No entanto, hoje em dia, Pereira não recebe mais visitas nem correspondências.  

Penitenciária de Iaras

Atualmente, Pereira encontra-se detido na Penitenciária de Iaras, no interior de São Paulo. O local é conhecido por abrigar presos condenados por estupro ou ameaçados de morte.

Segundo a coluna de Josmar Jozino, no UOL, aos 52 anos, o maníaco passa seus longos dias dedicando-se ao artesanato. Antes das visitas serem suspensas por causa da pandemia do novo coronavírus, Pereira vendia bordados de tapetes e toalhas para parentes de colegas do presídio. 

Francisco de Assis Pereira em entrevista / Crédito: Divulgação / Youtube / RECORD TV

 

O colunista também explica que o criminoso não possui amigos e prefere passar a maior parte do tempo sozinho, lendo a Bíblia Sagrada. Devoto do cristianismo, uma vez por semana, ele possui o hábito de frequentar o culto evangélico, onde faz orações. 

Jozino relata que ele é considerado um preso que apresenta bom comportamento e divide a cela com outras 11 pessoas. No entanto, por ser um dos presos mais antigos, ele possui o privilégio de dormir num colchonete fornecido pelo Estado. 


+Saiba mais sobre crimes brasileiros por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Vida Do Ives Ota - O Mensageiro Da Paz, de Ota Iolanda Keiko (1999) - https://amzn.to/3cf2qEQ

Suzane: assassina e manipuladora, de Ullisses Campbell (2020) - https://amzn.to/2WFlLso

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (Ebook) - https://amzn.to/2WD1tQj

Indefensável: O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio, de Paula Sarapu e outros (Ebook) - https://amzn.to/2WCFvg5

Os Crimes Mais Cruéis do Brasil: Conheça os casos que mais chocaram o país, de Editora O Curioso (Ebook) - https://amzn.to/2SNqdnI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W