Vitrine » Cultura

Obra inédita resgata a luta histórica de mulheres quilombolas

Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas, coordenada por Selma dos Santos Dealdina aborda a resistência negra ao longo dos séculos

Victória Gearini Publicado em 26/10/2020, às 17h26

Retrato de mulheres quilombolas no Brasil
Retrato de mulheres quilombolas no Brasil - Divulgação / Antônio Cruz / ABr

Lançada nesta segunda-feira, 26, a obra Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas, da editora Pólen Livros, resgata a história e a luta das mulheres negras que resistiram ao machismo e ao racismo ao longo dos séculos no Brasil. 

A obra foi compilada por Selma dos Santos Dealdina, escritora quilombola do Angelim III, Território do Sapê do Norte, no Espírito Santo. Ao longo dos anos, a autora trilhou uma expressiva trajetória dentro dos movimentos sociais, e atua como secretária executiva no Coletivo de Mulheres da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq).

A obra conta, também, com a colaboração de outras escritoras: Amária Campos de Sousa; Ana Carolina Araújo Fernandes; Ana Cleide da Cruz Vasconcelos; Andreia Nazareno dos Santos; Carlídia Pereira de Almeida; Dalila Reis Martins; Débora Gomes Lima; Gessiane Nazário; Givânia Maria da Silva; Maria Aparecida Mendes; Maria Aparecida Ribeiro de Sousa; Mônica Moraes Borges; Nilce de Pontes Pereira dos Santos; Rejane Maria de Oliveira; Sandra Maria da Silva Andrade; Valéria Pôrto dos Santos; e Vercilene Francisco Dias

[Colocar ALT]
Obra Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas (2020) / Crédito: Divulgação / Pólen Livros

Neste livro, as autoras dão voz à mulheres historicamente silenciadas pela sociedade, trazendo à tona os rituais e costumes de ancestrais que compartilharam seus conhecimentos com a comunidade. 

Por meio de uma escrita envolvente, são apresentadas pautas sobre diversidade, geralmente esquecidas ou invisibilizadas pela sociedade. A partir de suas experiências pessoais e conhecimentos acadêmicos, as escritoras dividem com o leitor suas visões de mundo, tornando o debate mais rico e diverso. 

Neste livro, as autoras assumem o papel de guardiãs dos conhecimentos ancestrais, sendo eles políticos e culturais. Tais pensamentos abrem margem para debates e reflexões sobre o que é ser mulher quilombola. Pauta identitária e protagonismo feminino negro permeiam a narrativa, que busca denunciar os dificuldades enfrentadas pela população quilombola. Hoje, cerca de 4 mil comunidades quilombolas continuam resistindo a opressão propagada pelo Estado brasileiro, que são pouco noticiadas pelos veículos jornalísticos.

Disponível na Amazon em formato de capa comum, esta obra trata-se de uma grande oportunidade para conhecer um pouco mais sobre a luta histórica de movimentos sociais e das mulheres negras no Brasil.


+Saiba mais sobre esta e outras obras relacionadas ao tema, disponíveis na Amazon:

Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas, de Selma dos Santos Dealdina (2020) - https://amzn.to/2Tsdt64

Heroínas negras brasileiras, de Jarid Arraes (2020) - https://amzn.to/3jmiuaP

Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro (2019) - https://amzn.to/3oujHAE

Um Buraco Com Meu Nome, de Jarid Arraes (2018) - https://amzn.to/34lBUbC

Quem tem medo do feminismo negro? de Djamila Ribeiro (2018) - https://amzn.to/35ySO5H

O feminismo é para todo mundo: Políticas arrebatadoras, de Bell Hooks (2018) - https://amzn.to/35yXYPf

Mulheres, raça e classe, de Angela Davis (2016) - https://amzn.to/3jsmaI5

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W