Vitrine » Personagem

Sacrifícios humanos e canibalismo: os horrores de Joshua Milton Blahyi

Conhecido como General Butt Naked, estima-se que ele tenha contribuído para a morte de mais de 20.000 pessoas

Victória Gearini Publicado em 30/05/2020, às 11h10

Joshua Milton Blahyi, conhecido como General Butt Naked
Joshua Milton Blahyi, conhecido como General Butt Naked - Divulgação / Facebook / Israel United in Christ

Joshua Milton Blahyi, mais conhecido pelo pseudônimo de guerra General Butt Naked, atuou como comandante das forças de Roosevelt Johnson durante a Primeira Guerra Civil da Libéria. Ocorrido no início da década de 90, estima-se que este conflito tenha feito mais de 20.000 vítimas fatais, que foram submetidas a sacrifícios humanos e canibalismo.

Aos 11 anos de idade, Blahyi foi iniciado como sacerdote da tribo Sarpo, na Libéria. Nesta mesma época, participou de seu primeiro sacrifício humano, que durou cerca de três dias. Durante a Comissão para Verdade e Liberação da Libéria, realizada em 2008, Blahyi decidiu revelar ao mundo todas as atrocidades que presenciou neste período. Segundo o sacerdote, práticas de sacrifícios humanos e canibalismo de crianças eram comuns para aumentar o poder dos guerreiros. 

Mais tarde, Blahyi foi nomeado sumo sacerdote e conselheiro espiritual do presidente liberiano Samuel Doe. Os líderes, segundo ele, eram escolhidos a partir das habilidades físicas, por meio de uma luta tradicional onde os vencedores eram autorizados a assassinar e mutilar os oponentes, como demonstração de força. O último a sobreviver assumia a liderança da tribo. 

Os sacrifícios durante as batalhas

Era comum que Blahyi e seu exército lutassem nús, utilizando apenas sapatos e armas, já que, para ele, a nudez caracterizava proteção. Segundo o documentário baseado em sua vida, produzido pela revista Vice, The Vice Guide to Liberia, Blahyi escolhia geralmente crianças para sacrificar, pois seus sangues seriam os preferidos entre os deuses. 

Joshua Milton Blahyi durante batalha / Crédito: Divulgação / Facebook / Israel United in Christ

 

“Às vezes eu entrava na água, onde as crianças brincavam. Mergulhava na água, pegava uma, carregava-a e quebrava o pescoço. Às vezes eu causava acidentes. Às vezes eu apenas os abatia. Os sacrifícios humanos incluíam a morte de uma criança inocente e a retirada do coração, que era dividido em pedaços para nós comermos", disse Blahyi em entrevista ao Seattle Post-Intelligencer.

Em 2006, Blahyi lançou uma autobiografia em que revelou documentos e imagens inéditas que comprovam estas práticas. Pouco tempo depois, o ex-comandante disse, ainda, ao jornal Estrela da África do Sul que constantemente tinha experiências sobrenaturais, que ele acreditava serem obras de forças malignas. 

"Antes de liderar minhas tropas para a batalha, ficávamos bêbados e drogados, sacrificávamos um adolescente local, bebíamos o sangue, depois nos despíamos e entrávamos na batalha, usando perucas coloridas e carregando bolsas que saqueávamos de civis. Abatíamos qualquer um que víssemos, cortávamos suas cabeças e as usavávamos como bolas de futebol. Nus, sem medo, bêbados e estratégicos. Matamos centenas de pessoas — tantos que perdi a conta”, disse Blahyi ao jornal Estrela da África do Sul.

Conversão ao Cristianismo 

Em 1996, quando a guerra civil na Libéria estava chegando ao fim, Blahyi decidiu se converter para o cristianismo. Durante a Comissão para Verdade e Liberação da Libéria, ele disse ter ouvido a voz de Deus e posteriormente avistado a imagem de Jesus Cristo. Em 1997, Blahyi viajou para o campo de refugiados de Buduburam no Gana, onde afirmou ter encontrado forças para se converter de vez.

Joshua Milton Blahyi, atualmente Presidente dos Ministérios Evangélicos / Crédito: Divulgação / Facebook / Israel United in Christ

 

Atualmente, Blahyi é o Presidente dos Ministérios Evangélicos de Trem do Fim dos Tempos, com sede na Libéria. Posteriormente, casou-se com Josie Blahyi, com quem teve quatro filhos chamados Michaela, Joshua Milton Jr., Janice Marva e Jackie MaryBeth.

Desde sua confissão, o ex-comandante mostrou interesse em ser julgado pelos seus crimes de guerra em Haia. Em outubro de 2016, Blahyi pediu, ainda, para empresários doarem meio milhão de dólares à ONG Jornadas contra a Violência, com o intuito de ajudar na reabilitação de crianças viciadas em drogas, ou que atuaram como soldados.


+Saiba mais sobre temas semelhantes por meio de obras disponíveis na Amazon:

A guerra do mundo, de Niall Ferguson (2015) - https://amzn.to/2WDj2PX

Guerra e paz, de Liev Tolstói (2017) - https://amzn.to/2A3UnfS

A Arte da Guerra, de Sun Tzu (2015) - https://amzn.to/2L9Bavx

Conflitos, de Heloisa Espada (2017) - https://amzn.to/2Wbfrd6

Conflito e Paz: Uma Resposta, de Bert Hellinger (2007) - https://amzn.to/3fvGzes

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W