Vitrine » Civilizações

De tesouros a enterro curioso: 5 descobertas impressionantes sobre vikings

Conheça alguns dos mais impressionantes vestígios da civilização que se desenvolveu a partir de atividades agrícolas e artesanato

Victória Gearini Publicado em 31/10/2020, às 08h00

Representação de ataque viking
Representação de ataque viking - Aventuras na História / Eber Evangelista

A civilização viking é originária da região da Escandinávia, que hoje em dia corresponde a Suécia, a Dinamarca e a Noruega. Conhecidos como nórdicos ou normandos, os vikings construíram uma vasta cultura que chegou ao seu apogeu entre os séculos 8 e 11.

Com um vasto comércio marítimo, os vikings são referência de civilizações que se desenvolveram a partir de atividades agrícolas e artesanato. Além disso, são lembrados pelas expansões marítimas que atingiram diversos territórios, dentre eles Inglaterra, Escócia, norte da França, Rússia, Irlanda, Islândia, Groenlândia. Já no ano 1000, se estabeleceram na América do Norte, em uma pequena colônia localizada na região do Canadá.

Pensando nisso, o site Aventuras na História separou 5 descobertas arqueológicas impressionantes feitas sobre vikings.

1. Tesouro da Era Viking

Em 2018, Luca Malaschnitschenko, até então com 13 anos, e seu professor Rene Schöm encontraram um fragmento de alumínio, perto da vila de Schaprode, na Ilha de Rügen. No início, a dupla acreditou que fosse um lixo deixado por algum turista, mas ao examinarem o artefato, notaram que se tratava de prata.

Moedas encontradas em tesouro viking, em 2018 / Crédito: Divulgação / Picture Alliance / DPA / S. Sauer

 

A descoberta foi noticiada por diversos veículos alemães, dentre eles a Deutsche Welle. Logo uma equipe de arqueólogos foi montada. Com ajuda do garoto, os especialistas encontraram um vasto tesouro arqueológico, com mais de 600 moedas de prata, colares trançados, pérolas, broches, anéis e um pingente com um martelo.


2. Certidão de nascimento da Dinamarca medieval

Localizada no centro da Dinamarca, a cidade de Jelling, abriga um número expressivo de pedras rúnicas, dentre elas uma que pertenceu a um dos mais notórios chefes vikingsHarald Blatonn. Suas pedras são trabalhadas em iconografia cristã e nórdica. 

Pedras rúnicas consideradas a "certidão de nascimento" da Dinamarca medieval / Crédito: Divulgação

 

Erguidas por volta do ano 965, estas pedras são consideradas a transição do panteão nórdico para o cristianismo. Elas reproduzem imagens de povos locais sendo derrotados por representações de figuras cristãs. Desta forma, estas pedras rúnicas, são consideradas a "certidão de nascimento" da Dinamarca medieval.


3. Cemitério Viking

Em 2019, os restos mortais de uma guerreira eslava foram encontrados em um antigo cemitério viking, localizado na ilha dinamarquesa de Langeland. Na época, o pesquisador da Universidade de Bonn, Leszek Gardela, divulgou à imprensa que o corpo foi encontrado com um machado típico dos povos eslavos. 

Representação do sepultamento de guerreira eslava / Crédito: Divulgação / Facebook / Miroslaw Kuzma 

 

Segundo o especialista, a Dinamarca era habitada por povos eslavos e escandinavos, que conviviam lado a lado. Além disso, o especialista disse que embora o corpo da guerreira estivesse bem preservado, a falta de lesões aparentes impossibilitou identificar a causa da morte. 

Na época, as pesquisas identificaram, ainda, mais de 30 sepulturas femininas. Tais descobertas mostraram a importância da participação feminina em combates e quebraram paradigmas de gênero.  


4. As impressionantes casas nórdicas

As casas vikings eram os primeiros lugares a legitimar hierarquias, sendo espaços políticos e amplos. Segundo estudos da pesquisadora Marianne Hem Eriksen, os escravos viviam em uma sala extra com uma lareira no estábulo da residência. 

Reconstituição de casa viking / Crédito: Divulgação

 

Além disso, era comum que bebês fossem enterrados na lareira ou dentro de vigas. A morte para eles tinham significado, portanto, dentro das casas existiam pontos para contatar pessoas mortas — o 'outro mundo'. Panelas, facas e anéis de ferro enterrados em portas ou próximos a elas, simbolizavam, ainda, uma proteção extra de poderes de outros seres. 


5. Tesouro que levou a processo

Em 2014, Derek McLennan descobriu um cemitério em Galloway, na Escócia, com ajuda de um detector de metais. O local abrigava um tesouro viking com mais de mil anos. Dentre os objetos encontrados estão: joias de ouro e prata, seda bizantina, uma cruz esmaltada, disco anglo-saxão, broches, marcadores de prata, um pino de pássaro de ouro, miçangas e objetos de couro e madeira. 

Visão ampla dos objetos vikings encontrados / Crédito: Divulgação

 

McLennan, por sua vez, prometeu que entregaria para a igreja local uma parte dos lucros da descoberta, no entanto, o rapaz não cumpriu a promessa. De acordo com as leis da Escócia, os lucros de uma descoberta deste nível devem ser repartidos entre a pessoa que encontrou e o proprietário de onde foram achadas. Portanto, o reverendo David Bartholomew entrou com uma ação judicial contra o explorador.


+Saiba mais sobre os vikings por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

Dicionário de História e Cultura da Era Viking, de Johnni Langer (2018) - https://amzn.to/2WJGieJ

Vikings: Noite Em Valhala, de Eduardo Kasse (2019) - https://amzn.to/2WIRXKM

Abominação: Os vikings estão chegando, de Gary Whitta (2017) - https://amzn.to/2WLCzxA

Mitologia Nórdica, de Neil Gaiman (2017) - https://amzn.to/34yTVjT

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W