Vitrine » Personagem

Vítimas fatais: o reinado tenebroso de D. João II, monarca de Portugal

Conhecido pelo conservadorismo, o soberano teria sido o responsável pelo triste destino de seus primos

Victória Gearini Publicado em 16/05/2020, às 11h54

D. João II, rei de Portugal e dos Algarves
D. João II, rei de Portugal e dos Algarves - Wikimedia Commons

D. João II, mais conhecido como o Príncipe Perfeito, foi o rei de Portugal e dos Algarves. Defensor da política de exploração atlântica, D. João II esconde, ainda, um passado insólito, envolvendo mortes suspeitas e conspirações macabras. 

Nascido no Paço das Alcáçovas, no Castelo de São Jorge, em 3 de março de 1455, D. João II casou-se com sua própria prima, Leonor de Viseu, com quem teve seu primeiro filho Afonso, Príncipe de Portugal. Anos mais tarde, teve um relacionamento extraconjugal com a nobre portuguesa Ana de Mendonça, resultando no nascimento de seu filho bastardo Jorge de Lencastre. 

Pintura de Leonor de Viseu / Crédito: Wikimedia Commons

 

O reinado de D. João II durou de 1481 a 1495 e é um período marcado pela centralização do poder. Além disso, o soberano foi o responsável pela morte de potenciais opositores, entre eles membros de sua própria família, como o duque de Bragança e o duque de Viseu, ambos seus primos. 

Morte em praça pública 

Quando jovem D. João II já despertava o medo entre os nobres portugueses, que o julgavam despreparado e pretensioso. Após assumir o trono, o monarca tomou uma série de medidas que desagradaram a realeza, entre elas de concentrar todo o poder para si mesmo. 

O Príncipe Perfeito passou a receber, portanto, cartas do duque de Bragança e de outros reis, que constantemente repreendiam a sua forma de governar, pedindo intervenções. Furioso, D. João II mandou prender o duque de Bragança, que foi julgado perante a corte portuguesa durante 22 dias.

D. João II no Livro dos Copos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Segundo os cronistas Garcia de Resende e Rui de Pina, após o longo julgamento, o monarca sentenciou o seu próprio primo à morte. No dia 20 de junho de 1483, o duque de Bragança foi brutalmente degolado em praça pública. Um ano depois, o duque de Viseu, D. Diogo, primo e cunhado de João II, arquitetou um plano para apunhalar o monarca.

Assassinato a sangue frio

Como governador da Ordem de Cristo, D. Diogo estava insatisfeito com as medidas tomadas pelo marido de sua irmã, no entanto, o tiro saiu pela culatra, pois um dos envolvidos avisou D. João II do golpe. Desta vez, sem julgamento, o soberano fingiu não saber da conspiração e ordenou que o duque de Viseu comparecesse ao seu palácio. Sem saber do que se tratava, D. Diogo foi apunhalado pelo próprio D. João II.

Retrato de D. João II, rei de Portugal e dos Algarves / Crédito: Wikimedia Commons

 

Após assassinar a sangue frio o irmão de sua esposa, o soberano enviou dois emissários para comunicar a sua tia Beatriz sobre a morte de seu filho. D. João II, por sua vez, não negou que havia matado D. Diogo, confessando ao irmão do falecido, D. Manuel, que foi obrigado a matá-lo, pois o duque planejava assassiná-lo. Como forma de se redimir, o rei prometeu, ainda, que se não tivesse mais nenhum filho legítimo, o trono passaria a D. Manuel, que mais tarde assumiu a Ordem de Cristo e a realeza.

Estima-se que mais de 80 pessoas foram perseguidas, sendo executadas, assassinadas ou exiladas para Castela. Entre os inimigos do soberano estava, ainda, o bispo de Évora, Garcia de Meneses, que foi encontrado envenenado na prisão. Após esses fatídicos episódios, D. João II governou Portugal de forma autoritária, alegando que estava promovendo a limpeza no país. “Eu sou o senhor dos senhores, não o servo dos servos”, disse em um de seus comícios.


+Saiba mais sobre a família imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2qWOGw7

Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Retratos do Império e do Exílio, de Vários Autores (2011) - https://amzn.to/35PKgWP

Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W