Achados arqueológicos confirmam tragédia bíblica

Camadas de cinzas mostram destruição massiva na antiga capital do reino de Judá, em sua conquista pelos babilônicos

Tatiana Bandeira

O Cerco de Jerusalém em quadro de pintor escocês, 1850 | <i>Crédito: David Roberts
O Cerco de Jerusalém em quadro de pintor escocês, 1850 | Crédito: David Roberts

Descobertas feitas por arqueólogos em Israel confirmam a veracidade do relato bíblico da conquista de Judá pela Babilônia e da queda do Primeiro Templo em Jerusalém. Um fato tão importante que é lembrado pela no calendário hebraico pelo Tisha B'av, um dia de jejum e de luto, que este ano cai na próxima terça-feira.

Conforme as descrições bíblicas, em 586 aC, o rei babilônico Nabucodonosor, venceu o rei judeu Zedequias e arrasou a capital, Jerusalém. O capitão babilônio do guarda Nebuzaradan foi então enviado para a cidade, onde, consta no Livro de Jeremias, "queimou a casa do Senhor e a casa do rei; E todas as casas de Jerusalém, todas as casas de todos os grandes, queimaram-no com fogo".

De acordo o arqueólogo da Israel Antiquities Authority (IAA) Joe Uziel, co-diretor das escavações atuais da Cidade de Davi,  as descobertas no declive oriental no sítio, incluindo uma fileira de salas de 2.600 anos e seus interiores - tudo coberto de grossas camadas de cinza de carvão - ajuda a compreender o que aconteceu nos dias que antecederam a destruição.

Nas ruínas foram descobertos artefatos raros, incluindo uma estátua de mulher nua, aparentemente egípcia, de marfim, e frascos de cerâmica esmagados com um “selo de roseta” que estaria sendo usado pela realeza na última década antes da queda do Primeiro Templo, de acordo com o co-diretor da IAA, Ortal Chalaf.

"Estes selos são característicos do final do período do Primeiro Templo e foram usados ​​pelo sistema administrativo que se desenvolveu no final da dinastia judia. A classificação dos objetos facilitava o controle, supervisão, coleta, comercialização e armazenamento de produtos. A roseta, em essência, substituiu o selo "For the King" usado no sistema anterior ", disse Chalaf.

Além disso, os restos carbonizados de madeira, sementes de uva e escamas e ossos de peixe serão catalogados por membros da equipe de cooperação interdisciplinar de arqueólogos da IAA e cientistas do Instituto Weizmann.

Ruínas do período da destruição foram primeiro encontradas nos anos 1960. O achado atual, fora dos limites tradicionais da cidade de Jerusalém, indica que ela era maior (e mais importante) do que se dava crédito. Como também sua destruição.


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História