Estatueta do Paleolítico gera comparações com Kim Kardashian

'Vênus' de 23 mil anos atrás era avantajada em certa parte

Fábio Marton | Reportagem Thiago Lincolins

Partindo corações desde 21 mil a.C. | <i>Crédito: cliparting.com
Partindo corações desde 21 mil a.C. | Crédito: cliparting.com

Uma estatueta do Paleolítico Superior, datada por radiocarbono entre 21 mil e 24 mil anos atrás, foi encontrada num sítio arqueológico da região de Bryansk, Rússia, a cerca de 400 km ao sul de Moscou. Feita em presa de mamute, tem meros 5 centímetros de comprimento. Minúscula, como é possível ver aqui, na mão do arqueólogo que a encontrou, Dr, Konstantin Gavrilov, do Instituto de Arqueologia e Etnografia da Academia Russa de Ciências:

O arqueólogo acredita que a pequena figura uma tivesse função ritual. A ideia mais óbvia seria que representasse uma deusa da fertilidade, como outras "Vênus" do paleolítico foram tradicionalmente interpretadas. Gavrilov discorda: segundo ele, é antiga demais para isso: predando a agricultura em mais de 10 mil anos, pertence a uma época em que a fertilidade ainda era mal-compreendida pelos humanos. Hoje em dia, autores propõem interpretações alternativas para essas imagens, como que talvez fossem autorretratos das próprias escultoras, ou quem sabe símbolos para a vida em geral.

O que isso tem a ver com Kim Kardashian? Talvez fique mais claro vendo o outro lado da pequena escultura, em zoom:



Aqui, frente e verso:

Gavrilov notou o quanto a imagem é incomum, mesmo diante de tantas outras figuras rechonchudas do Paleolítico. "Essa escultura retrata uma mulher bastante corpulenta, mas fantasticamente delicada diante de suas pernas longas e finas". Ele comparou a imagem com o quadro Dânae, de Rembrandt, retratando uma das amantes de Zeus, a mãe do guerreiro Perseu, o matador de Medusa. 

Já os tabloides britânicos fizeram uma comparação bem menos erudita. Segundo eles, a imagem está mais para outra figura moderna...

A brincadeira pode ser de gosto duvidoso, mas não foi criada pelos tabloides. Por incrível que pareça, já havia sido usada antes por nada menos que o Metropolitan Museum of Art, de Nova York. Quem somos nós para contestar tal autoridade?*


Fotos: Instituto de Arqueologia e Etnografia da Academia Russa, Wikimedia Commons, Reprodução
*A analogia é espúria. Obviamente, a estátua está muito mais para a Mulher Melancia.

VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História