Ritual funerário

Corpo de 7 mil a.C. encontrado no Brasil

Redação Publicado em 09/12/2015, às 09h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

Descoberta
Descoberta - divulgacao
Ritual funerário 
 

Por volta de 7 mil a.C., habitantes da região de Lagoa Santa, Minas Gerais, cortaram a cabeça e as mãos de um homem. Então cavaram um buraco de 55 cm de profundidade, colocaram os restos dentro e o cobriram com pedras chatas. O caso é 6 mil anos mais antigo que a primeira decapitação encontrada anteriormente na América, no Peru. Os ossos haviam sido achados em 2007, por uma equipe da Universidade de São Paulo. Por anos, os arqueólogos continuaram a procurar pelo resto do cor
po. Só agora, num estudo conjunto com o Instituto Max Planck, da Alemanha, liderado pelo brasileiro André Strauss, foi possível determinar que a cabeça fora cortada do corpo, e não separada pela decomposição, como se pensava. Provavelmente, de acordo com os cientistas, não se trata de um troféu de guerra macabro, como aqueles que outros povos colecionariam milênios depois. Análises químicas na caveira, através dos isótopos de estrôncio, indicam que ela é parte do mesmo grupo que vivia na região. A aposta dos cientistas então é que se tratava de um ritual funerário. “Essa decapitação ritualizada é um atestado para a sofisticação primordial de rituais funerários entre os caçadores, coletores das Américas”,afirma Strauss.