Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

'Asterix': Denúncia de filha do artista pode ter motivado desinteresse em obra

Após uma acusação de roubo feita pela filha de Albert Uderzo, uma das obras do desenhista teve seu leilão cancelado em Bruxelas

Redação Publicado em 11/12/2023, às 15h22 - Atualizado às 19h46

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Capa original do álbum ‘Asterix e Cleópatra’ - Reprodução/Instagram/@millonbelgique
Capa original do álbum ‘Asterix e Cleópatra’ - Reprodução/Instagram/@millonbelgique

No último domingo, 10, uma capa original do álbum ‘Asterix e Cleópatra’, lançado em 1963, foi colocada a venda por uma casa de leilões em Bruxelas, capital da Bélgica. Porém, nenhum comprador expressou interesse pela peça, após uma ação legal da filha do desenhista Albert Uderzo.

A representação da rainha Cleópatra, e de dois heróis gauleses, Asterix e Obélix, seria leiloada pela casa Millon Belgique, que estimava receber um valor entre 400.000 e 500.000 euros, algo em torno de R$ 2,1 milhões a R$ 2,6 milhões, pela obra.

Porém, nenhuma oferta foi realizada e a peça da década de 1960 ficou sem dono, conforme repercutido pelo jornal O Globo. Em uma entrevista concedida à AFP, o diretor da casa de leilões, Arnaud de Partz, afirmou ser provável que os compradores tenham sido influenciados por uma denúncia realizada pela filha de Uderzo, que faleceu em 2020. 

Sylvie Uderzo teria afirmado que, se a obra presente no leilão tivesse sido doada por seu pai, ela estaria assinada e autografada por ele, o que não é o caso de ‘Asterix e Cleópatra’, levando muitos a acreditarem que a peça foi roubada. 

Esclarecimentos

Em resposta à acusação da filha do artista, a casa de leilões afirmou que a obra foi colocada em leilão por desejo do filho de um homem que a recebeu do próprio Uderzo, um dos criadores da série de quadrinhos ‘Asterix’, há mais de 50 anos. 

Em 27 de novembro, Sylvie Uderzo fez uma denúncia, porém a Promotoria de Bruxelas a rejeitou. Seu advogado, Orly Rezlan, havia alertado que qualquer pessoa que comprasse o desenho original poderia ser processada por receptação, explicando o desinteresse na obra. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!