Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Papa Francisco

Papa Francisco cita conflito na Ucrânia em discurso de Natal: 'Guerra insensata'

O pontífice já fez inúmeras referências à invasão do território ucraniano pela Rússia durante o ano de 2022

Redação Publicado em 26/12/2022, às 07h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
O papa Francisco - Getty Images
O papa Francisco - Getty Images

Neste domingo, 25 de dezembro, opapa Franciscoenviou uma mensagem natalina de paz aos católicos ao redor do mundo. O pontífice usou a ocasião para chamar a atenção para os conflitos ocorrendo em locais específicos do mundo.

A Ucrânia, em particular, já faz parte dos discursos papais desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro. Já neste pronunciamento de Natal, fora mencionadas também as tensas situações de países localizados na África e Oriente Médio

"Queridos irmãos e irmãs em Roma e no mundo inteiro, Feliz Natal!", começou Francisco. "Se queremos que seja Natal, Nascimento de Jesus e de paz, olhemos para Belém e contemplemos o rosto do Menino que nasceu para nós! E naquele rosto pequeno e inocente, vejamos os rostos de todas aquelas crianças que, em todo o mundo, anseiam pela paz".

A seguir, o pontífice se voltou para tópicos de importância internacional, como o confronto militar ocorrendo em território ucraniano:

Vejamos também os rostos de nossos irmãos e irmãs ucranianos que vivem este Natal no escuro e no frio, longe de suas casas devido à devastação causada por dez meses de guerra. Que o Senhor nos inspire a oferecer gestos concretos de solidariedade para socorrer todos os que sofrem, e ilumine as mentes daqueles que têm o poder de silenciar o estrondo das armas e pôr fim imediato a esta guerra sem sentido!", pontuou. 

Francisco lamentou ainda que, "tragicamente", em vez de ouvirmos a "voz da Criança [se referindo a Jesus]", estamos seguindo "outros conselhos, ditados por modos de pensar mundanos" na maneira de lidar com a guerra na Ucrânia. 

O direcionamento de recursos econômicos para o financiamento de artilharia em vez de alimentos que poderiam combater a fome mundial foi outro ponto criticado pelo líder da Igreja Católica. 

Outros conflitos 

Na sequência, o papa lembrou a guerra civil que já vem se desenrolando na Síria há 12 anos, assim como os protestos e violência da repressão policial que caracterizam tanto a crise no Myanmar quanto aquela ocorrida no Irã desde a morte de Mahsa Aminipor não usar o véu tradicional islâmico. Outro apelo do pontífice foi pela reconcilização entre Israel e Palestina. 

Pensemos também na Terra Santa, onde nos últimos meses a violência e os confrontos aumentaram, deixando atrás de si mortos e feridos. Roguemos ao Senhor que aí, na terra que viu o seu nascimento, retome o diálogo e os esforços para construir a confiança recíproca entre palestinos e israelenses", pediu Francisco

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!