Incrível mosaico romano encontrado na França contém suásticas

...e, com ele, foi revelada uma cidade perdida

Redação AH

O mosaico de Utecia: num sentido bem literal, foi um imenso achado | <i>Crédito: Denis Gliksman/Inrap
O mosaico de Utecia: num sentido bem literal, foi um imenso achado | Crédito: Denis Gliksman/Inrap

Não é todo o ano que há uma descoberta assim: um mosaico com mais de cinco metros de comprimento, que há mais de 2 mil anos adornou o piso de um edifício de 250 metros quadrados na cidade de Utecia, no sul da atual França. Quase perfeitamente preservados, ele mostra animais e motivos geométricos - suásticas entrelaçadas.


Em perspectiva / Denis Gliksman/Inrap

Hoje, o local fica na cidade de Uzes. Um terreno de 4 mil metros quadrados estava reservado para a construção de uma escola e os arqueólogos do Instituto Nacional Francês de Pesquisa Arqueológica Preventiva (INRAP) foi chamado para evitar que os tratores passassem por cima de alguma ruína valiosa. E, fazendo seu trabalho, salvaram o local. 

O mosaico em si é um achado espetacular, mas o mais significativo é que é o primeiro artefato descoberto de Utecia. A cidade foi mencionada em muitos documentos romanos, por milênios, nenhuma prova de sua existência havia ressurgido.

O prédio também intriga aos arqueólogos. Ele tinha uma colunata (pórtico com múltiplas colunas), o que indica ser um prédio público. Mas os arqueólogos acreditam que, talvez, fosse apenas alguém imensamente rico. "É verdade, não havia muitas pessoas que poderiam viver num prédio tão imenso", afirma o arqueólogo Philippe Cayn, chefe das escavações. "Mas é bem possível que o dono desses mosaicos era muito, muito rico. Provavelmente eles ficavam numa sala de recepção, para impressionar os visitantes e mostrar o tamanho de sua riqueza."


Uma coruja no detalhe / Denis Gliksman/Inrap

Quanto às suásticas... São perfeitamente inocentes. Eram uma decoração comum em Roma e Grécia antigas, geralmente relacionadas a redemoinhos e aparecendo em representações da natureza, como essa. 



VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História