Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Couro de pele humana com mais de 2 mil anos foi encontrado na Ucrânia

Os artefatos foram fabricados pelo povo cita, descrito pelo historiador grego Heródoto como detentores de costumes de guerra violentos

Ingredi Brunato Publicado em 19/12/2023, às 13h49

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem mostrando couros analisados - Divulgação/ PLOS ONE
Imagem mostrando couros analisados - Divulgação/ PLOS ONE

Um artigo publicado na última quarta-feira, 13, na revista científica PLOS ONE relatou ter identificado que peças de couro antigas escavadas em sítios arqueológicos da Ucrânia eram, na verdade, feitas com peles humanas, e não animais. 

Os pesquisadores analisaram 45 amostras de couro, com a maioria delas sendo originadas de bois, ovelhas, cabras e cavalos. Dois desses artefatos, no entanto, foram feitos com peles de humanos.

Os fragmentos de couro foram utilizados pelos citas, um povo nômade de guerreiros que habitou a região do estepe pôntico (situado entre o mar Negro e o mar Cáspio) entre 700 a.C. a 300 a.C.

Lenda e realidade 

Imagem mostrando amostras de couro estudadas / Crédito: Divulgação/ PLOS ONE 

Os citas são alvo de diversas descrições por parte de Heródoto, um historiador grego. Segundo os relatos do homem, eles eram conhecidos por ter o costume de beber o sangue de seus inimigos após matá-los, e também havia histórias em que eles retiravam a pele da mão direita dos adversários a fim de criarem o couro para cobrir suas aljavas — artefatos utilizados para armazenar flechas. 

A conclusão da pesquisa, portanto, é que os documentos escritos por Heródoto estão pelo menos estar parcialmente corretos a respeito do povo antigo. Além disso, eles determinaram que é apenas a porção superior das aljavas que era coberta com couro humano, enquanto o restante era animal. 


+ Para conferir o estudo na íntegra, clique aqui. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!