Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo animal

Golfinhos reconhecem seus amigos pelo gosto de suas urinas, diz estudo

Espécie seria o único ser vivo a identificar seus semelhantes pelo paladar

Fabio Previdelli Publicado em 30/05/2022, às 15h57

Imagem ilustrativa - Pixabay
Imagem ilustrativa - Pixabay

Por não possuírem um bulbo olfativo, os golfinhos não sentem cheiro, o que é uma característica muito importante em animais terrestres — que lhes ajudam na identificação uns dos outros. 

Entretanto, os cetáceos usam outro sentido para essa identificação: o paladar. Isso porque, segundo uma recente pesquisa publicada na revista científica Science Advances, os golfinhos conseguem reconhecer seus companheiros através do gosto da urina. 

Há anos pesquisadores estudam como os golfinhos se comunicam através de assobios características. Mas Jason Bruck, da Universidade Estadual Stephen F. Austin, no Texas, Estados Unidos, passou a observar que essas criaturas nadavam propositalmente entre a urina deixada por outros animais de sua mesma espécie. 

Os testes

O estudo foi feito com golfinhos-nariz-de-garrafa que vivem em cativeiro. Assim, água com gelo foi colocada em suas piscinas e seus comportamentos foram observados. Em determinado momento, os pesquisadores despejaram urina de outros golfinhos nas águas. 

Descobriu-se então que os golfinhos passavam mais tempo “experimentando” o mijo de outros golfinhos quando eles se conheciam. O tempo se tornava ainda maior quando essa combinação era aliada aos assobios característicos de cada um deles — que são uma espécie de nomes próprios que os ajudam a saber quem é quem. 

Ainda sabemos muito pouco sobre como o paladar funciona nos golfinhos”, disse o principal autor do estudo, Vincent Janik.

“Outros estudos mostraram que eles perderam muitos dos sabores comuns que encontramos em outros mamíferos, como azedo, doce, umami ou amargo. Mas eles têm células sensoriais incomuns em sua língua que provavelmente estão envolvidas nessa detecção de gostos individuais de outros animais”.

“Os golfinhos estavam muito, muito interessados ​​em participar”, completou Jason Bruck, biólogo marinho da Stephen F. Austin State University. “Geralmente, os golfinhos ficam entediados com meus experimentos. Estávamos explorando algo que faz parte do mundo dos golfinhos.”

A pesquisa evidenciou não apenas como é complexa a compreensão social da espécie como mostrou quem até então, os golfinhos são os únicos seres vivos capazes de identificar seus semelhantes pelo paladar. "Fiquei chocado, apenas chocado”, concluiu Bruck.