Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Trabalho escravo

Homem com tornozeleira eletrônica é encontrado em condição semelhante à de escravo

Apenado pagava R$ 100 mensais para trabalhar e ficar alojado ao lado de um chiqueiro de porcos; caso ocorreu no Rio Grande do Sul

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 13/03/2023, às 09h53

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Homem com tornozeleira eletrônica foi resgatado no Rio Grande do Sul - Divulgação / MTE
Homem com tornozeleira eletrônica foi resgatado no Rio Grande do Sul - Divulgação / MTE

Um homem de 59 anos de idade que vivia em situação semelhante à de escravidão em um sítio em São José do Herval, no Norte do Rio Grande do Sul, foi resgatado no último dia 7. Ele, quem utilizava uma tornozeleira eletrônica devido a uma pena que cumpria por um crime cometido, não podia deixar o local.

O homem, que não sabe ler e escrever, trabalhava como caseiro no sítio e dormia ao lado de um chiqueiro de porcos, como apontou o Ministério do Trabalho (MTE). Seu salário era de R$ 400, mas o empregador cobrava R$ 500 pelo alojamento, de modo que, na prática, o empregado pagava R$ 100 mensais para trabalhar, segundo a Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae) do MTE.

A condição de apenado fazia com que o trabalhador fosse obrigado a trabalhar naquelas condições, uma vez que todas as comunicações com a autoridade carcerária eram feitas pelo empregador, que não fornecia nenhum documento para a vítima a respeito da situação dela", declarou o auditor-fiscal do trabalho Joel Darcie, de acordo com o portal de notícias G1.

Após entrar em contato com as autoridades prisionais do Rio Grande do Sul, os fiscais conseguiram garantir a saída do apenado do sítio sem infringir sua medida de restrição de liberdade. Em seguida, o homem foi levado para a casa de sua companheira, também localizada em São José do Herval, onde permanecerá cumprindo sua pena em regime domiciliar.

Máquina de lavar

De acordo com o portal de notícias, os fiscais encontraram uma agenda na qual o empregador controlava uma outra dívida do trabalhador, referente a uma máquina de lavar roupas vendida por R$ 2,8 mil em sete prestações. Segundo o MTE, o a vítima pagava o valor com recursos de uma pensão por morte e aposentadoria que recebia.

Para garantir o pagamento das verbas rescisórias e dos danos morais ao trabalhador, o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Defensoria Pública da União (DPU) negociaram um termo de ajustamento de conduta com o empregador. A operação também contou com a participação da Polícia Federal (PF).

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!