Matérias » Personagem

Filha de Grace Kelly: a polêmica vida privada da princesa Stéphanie de Mônaco

A herdeira da icônica atriz de Hollywood teve uma saga escandalosa e se recusava a seguir os padrões impostos pela realeza

Nicoli Raveli Publicado em 25/12/2020, às 17h00

Princesa Stéphanie de Mônaco
Princesa Stéphanie de Mônaco - Divulgação

A princesaStéphanie de Mônaco herdou o carisma de seu pai, o falecido Rainier III e, de sua mãe, Grace de Mônaco, herdou a beleza. Sua vida amorosa, porém, era um tanto quanto conturbada, o que atraiu os olhares do público e das mídias.

Sem se importar com protocolos reais, a mulher namorou diversos homens que causavam repúdio em seu pai, como Paul Belmondo, um piloto, e também Mario Jutard, dono de uma boate.

Suas aventuras, entretanto, não pararam por aí. Aos 20 anos, iniciou um curso de moda e tornou-se um ícone do seguimento. A formação, porém, não a deixava completamente feliz, e foi então que o seu lado não-princesa aflorou novamente. Agora, seu objetivo era tornar-se uma famosa cantora de pop.

E seu sonho tornou-se realidade. Em 1986, seu single Ouragan fez com que os europeus se tornassem seus fãs: mais de dois milhões de cópias de seu primeiro CD foram vendidas. Inspirada por seu sucesso iminente, a princesa lançou até mesmo uma versão em inglês, mas sua fama no exterior não foi tão abrangente quanto na Europa.

Diante tamanho sucesso europeu, Stéphanie decidiu se concentrar novamente na busca por um amante. Quebrando qualquer padrão estabelecido pela família real, se relacionou com diversos guarda-costas.

Princesa Stéphanie de Mônaco com irmãos / Crédito: Wikimedia Commons

 

A rebeldia da princesa

Daniel Ducruet foi um dos homens que encantou seu coração. Diante do romance, a princesa de Mônaco e o guarda-costas se casaram — mesmo contra a vontade de Rainier — e tiveram dois filhos, Louis e Pauline.

Com o passar do tempo, a raiva que seu pai sentia foi substituída pela vontade de ser avô. Ele estava encantado por seus netos, mas isso não o impediu de fazer com que Daniel assinasse um documento: nele, dizia que o marido da princesa abriria mão da custódia de seus filhos e prometia o seu engajamento no protocolo real.

Tudo parecida perfeito demais, até que Ducruet traiu sua esposa com a Miss Nude Belguim. A fim de evitar o escândalo, Stephanie — que estava abalada com a situação — decidiu se divorciar.

Princesa Stéphanie de Mônaco, em 1986 / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Expulso da família real, Daniel também não pôde ficar em Mônaco, já que o Rainier o proibiu. Por mais que tenha sido uma situação complicada, a princesa não demorou a encontrar um novo amado.

Outro guarda-costas

Foi então que outro guarda do palácio, Jean-Raymond Gottlieb, chamou sua atenção. Em pouco tempo de relacionamento, Stephanie deu à luz Camille. Com medo de um possível boato sobre a princesa, a realeza decidiu manter a relação em secredo —  ela nunca foi oficialmente confirmada. 

Para isso, a própria Stéphanie decidiu omitir o nome do pai na certidão de nascimento de Camille. Mas isso só fez com que os rumores sobre sua vida pessoal aumentassem. O mistério só teve fim recentemente, quando a própria Camille — que não está na linha de sucessão — postou uma foto em seu instagram com Jean-Raymond e utilizou a hashtag #LikeFatherLikeDaughter.

O interesse por circenses

A relação entre Stéphanie e Gottlieb, porém, não durou muito tempo. Logo, a mulher saiu em busca de outro homem para satisfazer seus desejos: Franco Knie, um treinador de elefantes.

Os dois se conheceram durante uma apresentação do Monaco Circus Festival em 1997, do qual Knie participava. O clímax do romance, porém, só foi acontecer três anos após se conhecerem.

Depois de lutar mais uma vez contra os desejos de seu pai, a herdeira real deixou para trás sua vida no palácio e decidiu — junto com seus três filhos — morar com Franco em sua caravana em Zurique.

A relação parecia ser ótima, até que Claudine, esposa do circense, descobriu a traição dos amantes. Diante de dúvidas, o coração de Franco desejava ficar com Stéphanie e, para isso, optou por abandonar a sua mulher.

Incrédula com a situação, sua ex-companheira se recusava a preencher os papéis do divórcio, o que resultou em diversos momentos negativos para o casal. Diante da situação, o relacionamento foi rompido 18 meses depois.

Além das constantes brigas entre Claudine e Knie, os filhos da princesa estavam enfrentando dificuldades para ir à escola em Zurique. Não obstante, Stéphanie se sentiu frustrada diante do escândalo. Aquela não era a vida que ela esperava ter. Assim, deixaram o circo e retornaram ao palácio.

Stéphanie de Mônaco e Franco Knie / Crédito: Divulgação 

 

A partir de então, acredita-se que, para ser aceita de volta, seu pai teria exigido que seu comportamento fosse mais comparável a de uma princesa. A ordem, todavia, não foi seguida por muito tempo. 

Seu interesse por artistas do circo não parecia ter fim. Logo, seu desejo por Adans Lopez Peres — um dos integrantes da equipe de Franco — foi despertado.

O acrobata português

Poucas são as informações sobre o romance. Eles se casaram em 2002 em uma cerimônia na Suíça, que não contou nem mesmo com a presença de seus familiares.

Rainier, por sua vez, não parecia feliz com o casamento. Por isso, decidiu cortar a fortuna de sua filha, de dois bilhões de dólares, e excluir seus dois filhos — Louis e Pauline — da linha de sucessão da família real.

Mesmo não concordando com a atitude de seu pai, a princesa decidiu divorciar-se no mesmo ano para obter sua renda de volta — e também o direito de seus filhos em meio à realeza.

Stéphanie não se deixou abalar, mas decidiu levar uma vida um tanto quanto mais calma em relação a seus romances e voltou a dedicar um tempo para si. A princesa tornou-se presidente de diversas associações, como do Centro de Juventude de Mônaco, Centro de Atividades da Princesa Stephanie, membro do Conselho Honorário da Princess Grace Foundation USA.

Além disso, em 2010, decidiu também se dedicar a ações humanitárias na luta contra o HIV. Para isso, inaugurou a Maison de Vie na França, um local que fornece espaço para essas pessoas que desejam recomeçar a vida. Como a própria princesa alegou: "Eu posso ser uma princesa, mas acima de tudo, sou um ser humano".


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon:

Princess Stphanie of Monaco, Lambert M. Surhone (2010) - https://amzn.to/3gw74B7

Princess Stephanie of Monaco, Vários Autores (2012) - https://amzn.to/3cm1OwF

O Príncipe de Mônaco, Izabella Mancini (2017) - https://amzn.to/36OMDec

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W