Matérias » Segunda Guerra

Ravensbrück: os horrores do campo de concentração para mulheres

Durante muito tempo, o local onde nomes como Olga Benário foram aprisionados acabou sendo esquecido

Victória Gearini Publicado em 21/08/2020, às 09h00

Registro do campo de Ravensbrück
Registro do campo de Ravensbrück - Domínio Público

Localizado a 90 quilômetros ao norte de Berlim, o Ravensbrück foi um campo de concentração voltado somente para mulheres. Construído no outono de 1938 pelo arquiteto nazista Heinrich Himmler, por anos, o local ficou escondido atrás da cortina de ferro, e até os dias atuais é pouco falado.

O cruel local nazista recebeu diversos nomes conhecidos da História, entre eles Olga Benário, brasileira naturalizada, esposa do comunista Luís Carlos Prestes, sobrinha do general De Gaulle e irmã do prefeito de Nova York.  

Durante a Segunda Guerra, diversas pessoas judias, ciganas e integrantes da oposição foram enviadas para campos de concentração, sendo muito deles mistos. No entanto, o que poucos sabem, é que existiam lugares destinados apenas para o sexo feminino, onde mulheres eram obrigadas a trabalhar exaustivamente, até ficarem debilitadas e/ou virem a óbito. 

Por meio de uma propaganda nazista extremamente forte, Hitler foi capaz de convencer diversos alemães a simpatizarem com seus ideais, o que gerou uma perseguição intensa contra grupos menores. Durante o outono de 1938 a maio de 1939, foi construído o campo de concentração Ravensbrück, que abrigava cerca de 130 mil mulheres prisioneiras de mais de 20 países europeus. 

Prisioneiras de Ravensbrück com seus filhos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Pouco se tem conhecimento sobre o local, mas o que se sabe é que, inicialmente, este campo oferecia condições básicas de sobrevivência, como comida e uniformes limpos. No entanto, qualquer descumprimento de ordem já gerava punição, além do trabalho escravo ser uma exigência. Com o decorrer da guerra, as condições de Ravensbrück pioraram e o campo atingiu sua capacidade máxima.

Inicialmente o local servia como um campo de trabalho, mas com o avanço da guerra, se tornou um campo de extermínio, onde estima-se que mais de 90 mil mulheres foram vítimas de fome, estupros e execuções. Exaustão, frio e gás letal estavam entre os principais causadores de mortes em Ravensbrück.  

Segundo Sarah Helm, autora da obra Ravensbrück: A história do campo de concentração nazista para mulheres, não havia somente prisioneiras judias no local. Entre as internas, era possível encontrar ciganas, doentes mentais e prostitutas. Publicado em 2017 no Brasil pela Editora Record, o livro retrata de forma minuciosa o dia-a-dia neste campo de trabalho. 

Em entrevista exclusiva para à BBC, realizada em 2015, a autora revelou fatos inéditos que contribuíram para a construção da sua narrativa. "Ravensbrück era uma história com a qual eu havia me deparado e me dei conta de que era quase desconhecida", disse à BBC.

A autora explica, ainda, que com o avanço dos russos, os nazistas passaram a matar as pessoas que haviam sobrevivido, com o intuito de encobrir seus rastros de torturas e assassinatos. Entre os dias 27 e 28 de abril, mulheres que haviam sobrevivido e estavam em condições de andar, foram obrigadas a participar da marcha da morte. Outras 3 mil mulheres foram deixadas para trás, pois estavam muito doentes e debilitadas. No dia 30 de abril de 1945, o Exército Vermelho as libertou e salvou do campo de Ravensbrück. 

"Assim como Auschwitz foi a capital do crime contra os judeus, Ravensbrück foi a capital do crime contra as mulheres. Estamos falando de crimes específicos de gênero, como abortos forçados, esterilização, prostituição forçada. É uma parte crucial da história das atrocidades nazistas", disse Sarah Helm em entrevista à BBC.

Registro do campo de concentração / Crédito: Divulgação

 

Com mais de 900 páginas, a obra traz testemunhos completos da Segunda Guerra Mundial, mostrando como os horrores nazistas se alastraram em pouco tempo e em longa escala. Esta obra é inspiradora e arrepiante na mesma medida, uma vez que é capaz contar de forma emocionante a capacidade da crueldade do ser humano.


++Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil

Ravensbrück: A história do campo de concentração nazista para mulheres, de Sarah Helm (2017) - https://amzn.to/33uHoi8

Ravensbruck: Life and Death in Hitler's Concentration Camp for Women (Edição Inglês), de Sarah Helm (2015) - https://amzn.to/2Wixz53

As Judias do Campo de Concentração de Ravensbrück, de Rochelle G. Saidel (2009) - https://amzn.to/2weCKbD

Remembering Ravensbrück: From Holocaust to Healing (Edição Inglês), de Natalie B. Hess (2020) - https://amzn.to/2U9gmZq

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W