Curiosidades » Ciência

Festas e o gás do riso: a insólita origem da anestesia

O procedimento macabro era utilizado em operações cirúrgicas e odontológicas

Victória Gearini Publicado em 27/02/2020, às 20h50

Imagem ilustrativa do “gás do riso” sendo utilizado como anestésico
Imagem ilustrativa do “gás do riso” sendo utilizado como anestésico - Getty Images

Brincadeiras com óxido nitroso, conhecido popularmente como “gás do riso”, são comuns desde o início do século 19. Durante festas, anfitriões e convidados inalavam a substância para ficarem felizes, algo muito recorrente, ainda, nos dias atuais.  

Durante uma festa, em 1844, o dentista americano Horace Wells (1815-1848) descobriu que o óxido nitroso tinha efeitos anestésicos. Ao decorrer do evento, o especialista ficou chocado ao perceber que um dos convidados havia caído e quebrado as canelas, no entanto, a surpresa se deu pelo fato que o rapaz continuou dando risada, sem aparentar sentir dor. 

Horace Wells (1815-1848) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Ao observar este episódio insólito, Horace Wells pensou em experimentar a substância como anestesia em procedimentos odontológicos. No entanto, após utilizar o gás do riso em uma demonstração pública, foi zombado pela multidão, uma vez que o paciente sentiu fortes dores durante a extração de seu dente. Wells havia aplicado uma dose muito fraca. 

No entanto, os créditos para o uso do gás do riso para fins cirúrgicos é do médico americano Crawford Long (1815-1878). Assim como Wells, Long teve essa ideia durante uma festa, em sua escola de medicina. Diferente do dentista, o médico utilizou o éter como fórmula secreta. 

Crawford Long (1815-1878) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em um primeiro momento, Long realizou este procedimento em operações simples, até que, em 1849, ele amputou o dedo do pé de um garoto. Long manteve sua experiência em sigilo absoluto até 1849, quando divulgou os resultados da cirurgia. Já o dentista americano, William Morton (1819-1868), aluno de Horace Wells, realizou a primeira extração dentária bem sucedida utilizando éter. 

William Morton (1819-1868) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Até 1921, a comunidade científica e médica divergia sobre o criador da anestesia, até que o American College of Surgeons patenteou Long como o pioneiro. Hoje em dia, o éter e o óxido nitroso não são mais utilizados em operações, pois apresentam riscos para a saúde.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras:

Ideias geniais: Descobertas por acidente, erros surpreendentes e escorregões que mudaram a nossa visão sobre a Ciência, de Surendra Verma (2016) - https://amzn.to/37Hl7ht

Medicina Dos Horrores: A História De Joseph Lister, O Homem Que Revolucionou O Apavorante Mundo Das Cirurgias Do Século XIX, de Lindsey Fitzharris (2019) - https://amzn.to/2uEVDDw

Medicina macabra, de Morris Thomas (2020) - https://amzn.to/2RzES5S

A Horripilante Medicina da Idade Média, de José Antonio Martino - https://amzn.to/36CaFqS

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.