Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Caneta de osso e tinteiro: Kit de escrita romano é descoberto em Istambul

A descoberta é raríssima, uma vez que a maior parte das pessoas de 1.600 anos atrás não escrevia

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 15/09/2022, às 15h55

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Fotografia do tinteiro milenar - Divulgação/ Ministério de Cultura e Turismo da Turquia
Fotografia do tinteiro milenar - Divulgação/ Ministério de Cultura e Turismo da Turquia

Em Istambul, a cidade mais populosa da Turquia, pesquisadores encontraram um fascinante kit de escrita composto de uma caneta de imersão feita de osso e um tinteiro onde ainda é possível encontrar resquícios de tinta vermelha e preta. 

Os artefatos, que foram desenterrados na antiga cidade grega de Bathonea, datam de 1.600 anos atrás, ou seja, do final da era romana. Na época, bem poucos eram capazes de escrever, o que torna a descoberta raríssima. Em geral, essa habilidade erapossuída apenas por funcionários de estado e cortesãos.

Neste caso, todavia, os arqueólogos acreditam que o kit pertencia a um comerciante. É também a primeira vez que se encontra um conjunto intacto de itens históricos usados para a escrita, conforme informações divulgadas pela Agência Anadolu, um órgão de pesquisa arqueológica pertencente ao governo da Turquia. 

Fotografia da caneta histórica / Crédito: Divulgação/ Ministério de Cultura e Turismo da Turquia 

Terremoto 

Durante a mesma escavação, os especialistas teriam descoberto evidências de um terremoto ocorrido em 557. O fenômeno geológico teria destruído a Santa Sofia, uma famosa mesquita de Istambul datada do período do Império Bizantino

Vale mencionar que essa construção, que hoje é um Patrimônio Mundial da UNESCO, sofreu com inúmeros colapsos ao longo dos anos, mas nenhum tão grave quanto esse indicado pelas evidências dos pesquisadores. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!