Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Antigas cidades maias são descobertas entre o México e a Guatemala

Edifícios e grandes estradas foram encontradas no sítio arqueológico de La Cuenca Mirador Calakmul

Redação Publicado em 17/01/2023, às 07h14

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem 3D do terreno analisado pelos arqueólogos - Divulgação / Richard Hansen
Imagem 3D do terreno analisado pelos arqueólogos - Divulgação / Richard Hansen

Arqueólogos anunciaram na ultima segunda-feira, 16, a descoberta de uma rede de estradas, edifícios e assentamentos no sítio arqueológico de La Cuenca Mirador Calakmul, o qual fica entre o norte da Guatemala e o sul do México. De acordo com eles, a descoberta revela detalhes acerca do modo de vida e da organização dos maias, que habitavam a região.

Os especialistas apontam que as rodovias, marcadas e pintadas com cal, atingiam 40 metros de largura, além de cerca de 177 quilômetros de extensão. Além disso, conforme informações da agência de notícias AP, foram identificados outros 189 novos sítios, os quais contém casas, estruturas e campos para jogar bola.

“A maioria dos locais data dos períodos pré-clássico médio e tardio, de por volta de 1000 a.C., até pouco depois da época de Cristo", declarou a Fundação Fares, uma das financiadoras do projeto, em nota à imprensa.

“Pode-se falar da descoberta de várias estradas, mas não se sabe se são todas contemporâneas, se foram construídas ao mesmo tempo”, explicou María Belén Méndez, arqueóloga e doutora em Estudos Mesoamericanos.

“Elas mostram como se usava a água na antiguidade, principalmente naquela parte das terras baixas onde era difícil manejar o recurso, são importantes porque nos falam sobre a complexidade social”, explicou Méndez.

Tecnologia Lidar

De acordo com a agênicia de notícias, os asqueólogos envolvidos na descoberta utilizaram-se da tecnologia Lidar, que é quando um um avião voa a baixa altitude e envia uma espécie de laser que faz um raio-X da superfície terrestre, que atinge o subsolo.

"[As imagens permitiram] ver os locais na sua totalidade, cada estrada, sítio, reservatório e a grandiosidade, campos agrícolas de grande escala, currais onde guardavam carne em nível industrial, formação de sistemas agrícolas e pântanos”, afirmou o arqueólogo Richard Hansen.

Segundo o especialista, as observações permitiram aos cientistas saber melhor sobre como os maias desenvolveram seus sistemas agrícolas para manter sua população.

Já a planejadora da equipe e especialista em Lidar, Josephine Thompson, destacou que os maias projetavam suas grandes construções como engenheiros.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!