Notícias » Arqueologia

Gravuras raríssimas são encontradas por arqueólogo amador no Reino Unido

O escocês estava explorando um marco histórico quando se deparou com algo inesperado

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 01/06/2021, às 14h14

Gravura de cervo no Reino Unido
Gravura de cervo no Reino Unido - Divulgação/Historic Environment Scotland

Como relatou o portal britânico Unilad, uma impressionante descoberta arqueológica foi feita no marco histórico de Dunchraigaig Cairn, localizado em Kilmartin Glen, no Reino Unido. Um arqueólogo amador identificou gravuras que representavam cervos.

Ao The Telegraph, Hamish Fenton disse: “Eu estava passando por Dunchraigaig Cairn ao anoitecer quando notei a câmara mortuária na lateral do monte e decidi deslizar para dentro com minha tocha. Conforme eu iluminei a tocha, notei um padrão na parte inferior da laje do telhado que não parecia ser marcas naturais na rocha”. 

“Quando iluminei mais a área ao redor, pude ver que estava olhando para um veado de cabeça para baixo e, enquanto continuava olhando em volta, mais animais apareceram na rocha. Este foi um achado completamente surpreendente e inesperado”, afirmou.

O marco Dunchraigaig Cairn / Crédito: Divulgação/Youtube - Historic Environment Scotland

 

Após a descoberta, especialistas do Rock Art Project da Escócia, organizado pelo Historic Environment Scotland, foram ao local para verificar a autenticidade das gravuras. Para Tertia Barnett, da organização, esta foi uma “descoberta extremamente rara”.

Tratavam-se de duas gravuras de cervos adultos, além de outros animais menores que podem ser veados mais jovens. Segundo análises dos pesquisadores envolvidos, os desenhos remontam à Idade do Bronze, entre 4 e 5 mil anos atrás.

Por isso, aponta-se que as gravuras são as primeiras que representam cervos e que datam do começo da Idade do Bronze já encontradas no Reino Unido. “Pensava-se anteriormente que as esculturas pré-históricas de animais desta data não existiam na Escócia, embora sejam conhecidas em partes da Europa, por isso é muito emocionante que agora tenham sido descobertas aqui pela primeira vez na história Kilmartin Glen”, concluiu Barnett