Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Kenneth Smith

Pastor revela últimas palavras e 'tortura' de homem executado por método inédito

Segundo Jeff Hood, conselheiro espiritual, Kenneth Smith sofreu durante sua execução: 'um show de horrores'

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 27/01/2024, às 08h53

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Kenneth Smith, executado na última quinta-feira, 25 - Reprodução / Alabama Department of Corrections
Kenneth Smith, executado na última quinta-feira, 25 - Reprodução / Alabama Department of Corrections

Na noite da última quinta-feira, 25, Kenneth Smith foi a primeira pessoa no mundo a ser executada com gás nitrogênio. Preso no corredor da morte, ele foi condenado em 1989 pelo assassinato de uma mulher no ano anterior. 

+ Kenneth Smith: O crime cometido pelo homem executado com método inédito

Após uma falha na execução por injeção letal em 2022, uma nova alternativa foi estipulada pelo juiz R. Austin Huffaker Jr., do Alabama, que negou recurso do réu para que a execução não fosse levada adiante.

A angústia de Kenneth Smith e seus últimos momentos de vida foram revelados pelo pastor evangélico Jeff Hood, conselheiro espiritual do executado, que alegou que o sujeito estava sofrendo durante a execução. 

Último adeus

Antes de ser executado, informou o Departamento de Correções do Alabama, a última refeição de Kenneth Smith consistiu em um prato de bife, fricassé, batatas fritas e torradas

Ele ainda foi autorizado a se despedir e dar seu último adeus, reportou o UOL. Kenneth teria ligado para sua esposa, Dean Smith, para seus filhos, um amigo e também para seu advogado. Posteriormente, ele teria feito um coração com as mãos antes de dar o "ok" para o seguimento do processo. 

Esta noite o Alabama faz com que a humanidade dê um passo para trás... Estou indo com amor, paz e luz. Obrigado por me apoiarem. Amo, amo todos vocês", disse pela última vez. 

Conforme relatado pelas autoridades, a execução por hipóxia por nitrogênio — que consiste basicamente em forçar o detento a respirar nitrogênio puro, o que impediria suas funções corporais — deveria agir em segundos, mas o pastor relatou que a execução se estendeu por 22 minutos; com Kenneth respirando por cerca de metade desse tempo. 

Nesse período, Smith se contorceu diversas vezes e puxou as amarras que o prendiam à maca, conforme repercutiu a AFP. Sua respiração também teria ficado pesada por vários minutos antes que o gás nitrogênio o sufocasse completamente. 

Em coletiva, o conselheiro espiritual alegou que o prisioneiro teve convulsões, quando a máquina foi ligada e o gás "subiu" para a inalação de Smith: "Um mal inacreditável foi desencadeado esta noite", disse, descrevendo a execução como um "show de horrores".

Hood ainda afirmou que Kay Ivey, governadora do Alabama, e Steve Marshall, procurador-geral do estado, além dos agentes penais envolvidos no processo, foram "responsáveis pelo terror que acabou de acontecer".

Eu nunca vi nada assim. Isso foi uma tortura. Kenny Smith não era, de forma alguma, uma pessoa perfeita. Mas temos que garantir que isso nunca mais aconteça", prosseguiu. 

"Não vimos ninguém ficar inconsciente em 30 segundos. O que vimos foram minutos de alguém lutando pela vida, se contorcendo para frente e para trás. Vimos saliva. A máscara foi amarrada à parte de trás da maca e ele balançando sua cabeça para frente e para trás repetidas vezes", acrescentou. 

Método contestado 

O religioso ainda compartilhou que as testemunhas "suspiravam" ao verem a cena, relatando que os agentes penitenciários "ficaram surpresos por isso não ter ocorrido melhor".

Jeff Hood disse que uma das autoridades estaduais que estava no local parecia tão "nervosa que estava sapateando — eu podia ouvir seus pés batendo repetidamente porque eles queriam que aquilo acabasse".

Por fim, o religioso disse que embora Kenneth Smith estivesse "aterrorizado com a tortura que poderia ocorrer", ele fez questão de tranquilizá-lo com uma oração. "Ele também estava em paz. Uma das coisas que ele me disse é que finalmente vai sair [desse local]".

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!